O humor no cinema brasileiro

“Do cômico ao excitante, haveria somente um passo?” Milan Kundera

humor-nacional

As comédias nacionais são a nova vedete dos barões da indústria cinematográfica. Tradicionalmente, o Brasil é um país onde o humor se impõe, não por acaso aqui se instala a “piada pronta” e também os ditados, que buscam elaborar e mistificar uma realidade que tende para a fantasia, a caricatura. Essa característica pode ser vista em outras áreas, por exemplo, as artes plásticas, através das charges, e mais recentemente o teatro também vem sendo alvo de um número excessivo de montagens cômicas, especialmente após o aparecimento da categoria denominada “stand-up comedy”, uma importação norte-americana, como se supõe pelo nome.

No cinema essa “tradição oral” é mais antiga. O primeiro gênero que se estabeleceu na telona como linguagem brasileira, embora obviamente influenciado pela cultura europeia, foi o das chanchadas, típica comédia de costumes. Por essa brecha entraram para a história da arte brasileira nomes como Grande Otelo, Oscarito, Dercy Gonçalves, Consuelo Leandro e o pioneiríssimo Ankito, raro caso de artista que ainda assinava sem sobrenome. Num segundo momento, referenciado por essa trupe, o cinema apresentou um leque mais variado, tanto de humor quanto de abordagem, através inclusive da pornochanchada, que acrescentava a nudez e o erotismo a situações ridículas e absurdas. Daí para frente houve a consagração de Jorge Dória, Tonico Pereira, Hugo Carvana e muitos outros baluartes do estilo.

A renovação desse método, que já ocorrera no teatro e na televisão com nomes como Chico Anysio, Miguel Falabella, Jô Soares e Tom Cavalcanti, chega agora ao cinema, que por muito tempo se considerou demasiado sério e importante para tais brincadeiras, ignorando a densidade do riso na formação da crítica e da consciência. Glauber Rocha com seu “Cinema Novo” não o admitia, embora o “Cinema Marginal” de Rogério Sganzerla pensasse francamente ao contrário, como comprova a utilização das personagens de Zé Bonitinho, o Jorge Loredo, e Zé do Caixão, o José Mojica Marins, em seus filmes. A se lamentar que o momento atual seja tomado pela ganância de embolsar uns milhões, e não a gana de produzir uma obra impactante, de relevância sociocultural, ao invés da mera política do entretenimento. A enxurrada de mesmo ritmo também elimina a qualidade da diversidade, tão cara a um povo mestiço como o brasileiro.

O humor, como se sabe, não é digno de uma nota só. Perpassa pela ironia, dá entrada ao sarcasmo, abre a porta para o deboche, convida para o escracho e se envolve até com a melancolia. Há o humor de Chaplin, o humor de Benigni, o de Totó e o de Zacarias, todos distintos entre si. Com o sucesso da “Porta dos Fundos” na internet muitos dos participantes migraram para o cinema e a televisão. Ocorre é que quando apostam apenas na reprodução daquela linguagem para os respectivos meios pecam pela repetição, a ausência de repertório que é, em última análise, o defeito aparente do humor no cinema nacional nessa década. A mimese do modelo norte-americano de entretenimento também soa vulgar e desgastada, com vistas somente para a audiência. Desta maneira, ao cinema escapa o viés artístico, pois se estende no cabide à mão do cliente. Sempre haverá quem ria. Mas que riso é esse?

ankito

Raphael Vidigal

Fotos: montagem com ícones do humor nacional; e foto do comediante Ankito, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com