Sucessos da Porta dos Fundos

“Dizem que quando o Criador criou o homem, os animais todos em volta não caíram na gargalhada apenas por uma questão de respeito.” Millôr Fernandes

porta-dos-fundos

Propor o riso através da ironia, do achincalhe, sarcasmo, ofensa, maneiras variam e estratégias idem. Mas na essência está preenchido: o ridículo. Afinal a vida dita trágica é conferida de alguma gravidade, enquanto a oposta: o contrário, justamente a banalidade da existência humana leva a aceitarmos graças. O grupo de comediantes e roteiristas reunidos em torno do projeto-empresa “Porta dos Fundos” não se restringe a um único tipo de humor; fruto da heterogeneidade dos envolvidos, cujas escolas e referências mistas auxiliam na saudável geleia geral vista na tela da internet.

O poder de síntese do estilo, tendo o humor como modelo linguístico e, sobretudo, de estética, é utilizado com rara competência; assim como no rock, onde o fundamental, em se tratando de clássico, é o riff. Extrai-se daí um dos trunfos da companhia: os atores, alguns deles, notadamente Gregório Duvivier, Luis Lobianco, Júlia Rabello e Fábio Porchat detém um leque amplo de recursos dramáticos, desde os mais básicos como alteração de voz e fatores concernentes a habilidades físicas até instrumentos sutis de envio da mensagem implícita, apropriando-se de caricaturas e remodelando-as.

A astúcia para colher assuntos e lançar sobre eles um olhar histriônico é outro motivo de êxito da gangue. O texto raras vezes é previsível, adotando o discurso nonsense, provocativo, transgressor, sugestivo, hilário, banal e até grosseiro. No mesmo esquete os personagens migram da delicadeza e perspicácia; exigindo do interlocutor uma dose de conhecimento prévio (exemplos: Clarice Falcão em “Deus” ao citar o pastor Silas Malafaia; Antonio Tabet ungido do “sem vandalismo” e Luis Lobianco do “não é pelos 20%, mas o que representa moralmente” em “Reunião de Emergência”, etc.) ao palavrão.

A fórmula do sucesso parece, então, mais fácil de ser explicada, afinal quem não se divertir com as alusões a contextos históricos e sacadas ariscas, rirá com voracidade dos xingamentos baixos dirigidos a autoridades idem, ou nem isso, mas além do acolhimento por parte de incontáveis públicos ao humor da “Porta dos Fundos” está a qualidade do produto, e porque não dizer, arte, que tem em Ian Sbf, João Vicente de Castro, Gabriel Totoro, Gustavo Chagas, Letícia Lima, Marcos Veras, Rafael Infante, Marcus Majella, e os já citados, o aparato contra o dedo da seriedade e a cara feia.

porta-dos-fundos-sucessos

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

10 Comentários

  • Ei, Raphael! Adoro Porta dos Fundos e adorei o seu texto! Muito boa a leitura que você faz do trabalho deles! Abraço.

    Resposta
  • Muito bom esse texto! E só pra constar, o sequestro pra mim está no Top 5. Ri demais!

    Resposta
  • Sinceramente,eu quero é rir,sem preocupação,riso solto,despreocupado e até se for o caso riso rasgado…e amar amar esses pessoal que me faz feliz…salve o porta dos fundos!Vida longa prá todos!

    Resposta
  • Excelente texto! Desde o TV Pirata não vimos um “programa” de tamanha genialidade. Vocês são demais, não tenho palavras!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com