Cinema: Novo

Glauber Rocha revolucionou o cinema brasileiro com sua proposta realista

O Cinema Novo trouxe a marca de “uma câmera na mão, e uma idéia na cabeça”. E câmera na mão treme, incomoda, de preferência, revoluciona. Essa era a idéia dos idealizadores do movimento, políticos que gritavam contra a injustiça através da estética da fome. E se era estética, era arte. Portanto livre de compromissos com o público, as grandes empresas, o lucro, a bilheteria. Havia um quê vermelho sangue naquelas produções ideológicas e contestadoras. A novidade era tamanha, que os participantes do inicial cinema faziam questão de repudiar tudo que já havia sido feito. Era novo mesmo.

E como o novo tem por mania afastar situantes que conservam valores inquestionáveis, teve por serviço afastar com louvor as platéias acostumadas à chanchadas cômicas. O cinema novo não estava pra brincadeira. Empunhava com orgulho sua bandeira suada de batalhas e de Rios a 40 graus de febre.

O Filme: Deus e o Diabo na Terra do Sol

A ditadura e “Deus e o Diabo na Terra do Sol” fizeram suas vítimas no mesmo ano, de 1964, e se perpetuaram por longo tempo. Ambas foram combatidas e contestadas com as armas possíveis. Ao que a truculência ditatorial respondia com crimes hediondos e torturas, a violenta película cinematográfica sobre o vaqueiro Manuel questionava com a mesma veemência. Estavam ali sendo feitos dois movimentos distintos de embate, correndo por veias sanguíneas e sanguinárias. A Bahia de Glauber Rocha buscava a tradução de um Brasil por inteiro, pobre, na raiz, sofrido. O Brasil ditatorial era a metade de uma condição pré-humana, onde se matava quem fosse contra o regime. Glauber bem que tentou inserir seu regime próprio, mais na tela, desrespeitando com categoria quem lhe indagasse o contrário. E o diabo se viu sob a terra do sol até o final de 1985. Antônio das Mortes permaneceu por mais tempo no imaginário coletivo brasileiro.

O Ícone: Glauber Rocha

“Glauber se consumiu em seu próprio fogo”, falou o poeta Ferreira Gullar. De fato o incendiário diretor nascido no interior da Bahia tinha a primitiva forma de defesa inventada pelo homem como uma de suas armas. Glauber propôs um cinema faminto por combates e guerras inglórias. Um Brasil que fosse mostrado na tela tal qual miserável e apocalíptico era. Conseguiu através de suas agitações gestuais que deixaram um importante legado cultural para o país por qual se aventurou registrar no cinema. Seu cinema novo que realmente tornou-se posse de sua figura, dada a característica dominante de sua personalidade. O instinto falou mais forte que o homem, da mesma maneira que fez sua arte valer através de sua sensibilidade sensorial atravessou esse mundo com fogo.

Raphael Vidigal

Produzido para o blog Brasil na Cena, matéria de Cinema ministrada na PUC Minas por Robertson Mayrink.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

7 Comentários

  • Ainda não assisti ao filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, mas depois desse texto ganhei motivação. Já vi alguns outros filmes mais recentes sobre o assunto, muito bons por sinal, que com certeza se inspiraram nele.

    Resposta
  • Nunca vi, mas quem sabe depois que eu limpar a fila de mais de 50 filmes pendentes aqui eu não possa assistir heheheh

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com