Show: Geraldo Azevedo (Salve São Francisco)

“A tragédia é o estado natural do homem.” Lúcio Cardoso

Show de Geraldo Azevedo

Geraldo Azevedo tenta debater-se contra as águas lamacentas, poluídas, sujas, dum outrora paradisíaco e transbordante em peixes, rio São Francisco. A luta não é vã, lega-nos clássicos, daqui um tempo estimados com a devida consequência, afora os que já o são, peças de Luiz Gonzaga, principalmente.

Por hora, o povo impacienta-se, irritado, irascível, pede os mesmos momentos, velhos costumes, manias. Não é culpa de Geraldo Azevedo que se acostume o público a tão belas canções que estes só queiram ouvi-las. A conta cabe à plateia, pouco atrevida, preguiçosa, recusa-se a apreciar o inédito.

Noutra esfera, a iluminação arrebata ao adentrar em cena o “Bicho de Sete Cabeças II”, número, a priori, instrumental, com o talentoso flautista de que negligencio o nome, a acompanhar os vértices e vértebras do animal monstruoso, recortados no complexo campo harmônico da guitarra de Azevedo.

Os forrós e os xotes para as donzelas, quase todas maliciosas e morenas, animam as pernas, imóveis até soar a sanfona fictícia, reproduzida em teclados, sopros, guitarra e baixo. Mas é o rio, o tão reprovado rio, a improvável causa em tempos egoístas, o astro irreconhecível.

Irreconhecível porque não lhe assentam os devidos aplausos, e hoje lhe cabem misérias, mazelas, tragédias humanas a engolir-se em blocos, como uma serpente deglutindo o rabo, sem perceber, entope-se. Esgoela até ser ouvido. Viram-lhe as costas. Erros de sempre, pecados bíblicos.

Geraldo Azevedo em Salve São Francisco

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

3 Comentários

  • Bicho de sete cabeça foi de arrepiar! Gostei da descrição e menção à iluminação, que estava fantástica!

    Resposta
  • Post do mineirinho querido…………Raphael Vidigal!!!! Tô falando, Minas é especial!!!?

    Resposta
  • Geraldo Azevedo tenta debater-se contra as águas lamacentas, poluídas, sujas dum outrora, rio S.Francisco

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade