Peça Meu Tio É… Tia! – Crítica Teatral

“escancaro os tabus, mas não revelo os mistérios.” Rita Lee

Meu-Tio-E-Tia.jpg

A peça “Meu Tio é… Tia!”, há nove anos em cartaz na capital mineira, chega ao palco do Palácio das Artes por conta da39ª Campanha de Popularização do Teatro e da Dança. O descuido com a parte técnica, como evidentes chiados e falhas no microfone dos atores, deixa transparecer o desdém com o “santo de casa”, ou, em outras palavras, a crença de que “a grama do vizinho é sempre mais verde”.

O que não livra o espetáculo de críticas contumazes. Há, obviamente, embora sem creditar a “homenagem”, uma transposição do enredo de “A Gaiola das Loucas”, originalmente francesa, para a realidade regionalista. Várias piadas aprecem adaptadas a clichês e locais de Belo Horizonte. Outro artifício usado é recorrer a expressões “hit” na web e na TV. As novelas da Rede Globo servem de esteio e aparador.

Para quem está procurando um teatro de humor fácil, simples e ágil, pode ser uma boa pedida, embora se torne cansativo em diversos momentos. O humor paspalhão, físico, com as habituais “alfinetadas” entre um e outro personagem é responsável por praticamente todo o fôlego da comédia. Justamente por essa escassez de recursos é que a qualidade desce morro abaixo. Como de costume, a homossexualidade é altamente estereotipada e reduzida à histeria.

Há, ainda, uma tentativa de “stand up comedy” protagonizada por Leão Vaz, que soa descabida e deslocada do restante da, a essa altura, confusa peça. O restante do elenco, formado por Emerson Rezende, Paulo Moraes, Ernane Campos, Selma Franco e Douglas Gonzales, acompanhado por outros três bailarinos, apenas repisa o que o desafio em cena lhes propõe: um humor de multidões.

Meu-Tio-E-Tia-Teatro.jpg

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

9 Comentários

  • Concordei com todas as criticas! E a tentativa falha de “stand up comedy“ protagonizada por Leao Vaz seguida do estereotipo de histeria de alguns homossexuais, a que eles fazem referencia, fazem da peca uma porcaria, a meu ver. Inclusive um primo meu, que ESTUDOU teatro na UFMG disse que o “povao“ curte essa e outras pecas do mesmo estilo porque elas sao de humor facil, proprias pra pessoas que nao se esforcam pra entender bulhufas de nada! Sem mais…

    Resposta
  • Acrescentaria alguns comentários, mas achei a critica interessante e sucinta.

    Resposta
  • Eu nunca fui em um teatro … Gostaria q minha primeira vez fosse numa peça de comedia …. Qndo e onde eu posso. Ver essa peça?

    Resposta
  • Eu assisti e achei mto boa ! Mas a melhor mesmo é Acredite um espirito baixou em mim…é pra morrer de rir…..

    Resposta
  • Não é fácil agradar a Gregos e Troianos… , mas é assim que se comporta o mundo, o sucesso se da pelo trabalho e pelo respeito, falar que parece com Gaiola das loucas , Priscila, com outras estórias, isso já é clichês. Toda dramaturgia conta com o bem e o mal , o cômico e o ingênuo, a vítima e o opressor, assim se constrói um bom enredo. Acho essa crítica muito pessoal, é graças a lotação do teatro e dos anos que ela vem se colocando no mercado que o espetáculo não faz jus a essa crítica. Mas as vezes um vê o que muitos não veem.

    Resposta
  • Excelentes atores, cenario impecável, texto hilario e bem amarrado. O espetáculo cumpre o que se propõe, fazer rir e até refletir! Estereótipos! Sim. Coisas de comédia! Vale a pena conferir!

    Resposta
  • Todos os anos acontece a acampanha de popularização, o proprio nome diz “POPULAR”. A peça é muito boa! Os atores maravilhosos. este é o 5 ano que assisto a peça e a recomendo. A cada ano que passa eles conseguem fazer humor sem apelação a palavrões, o texto em si já é engraçado. Não vejo a parte da atriz que faz o show como comédia stand up mas sim como uma forma divertida de descontraida de animar ainda mais o público. As pessoas pagam por diversão, um bom texto e um excelente trabalho e é exatamente isso que encontram na peça Meu tio é tia! Erros, falhas todos cometem, mas errar e falhar sem deixar a peteca cair isso são para poucos. Parabéns a todo o elenco, produção e organização. Um último ponto, se a peça não fosse boa sera que ela estaria a 9 anos com sucesso de púbico? Todas as vezes que fui a sessão estava esgotada.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade