Teatro: Walmor Chagas

“A arte não está no geral, mas no detalhe.” Stanislavski

Walmor-Chagas.jpg

Esta é a história de um senhor de idade acometido por uma tentativa fúnebre de suicídio. Que se revelou vitoriosa. O fracasso da existência terrena frente à material morte parece-me assunto para outra hora. Antes é necessário concentrar-se nesse homem, estendido sobre uma cadeira de balanço, cujo sangue agora espesso, duro, cobre-lhe o colo, onde jaz um revólver calibre 38, esvaziado da única bala que lhe penetrou o ventre cinza e insosso.

Embora a aparência de um revólver possa suscitar em alguns o medo, tal perspectiva locomover-se-á ao extremo oposto, se o apontarmos para pensamentos de infância. A maneira pomposa à qual me refiro ao denominá-lo “senhor de idade” certamente incomoda o falecido, que mais tarde verão, ainda vive. Por isso o trataremos por velho, não idoso, e aqui revelamos as dificuldades advindas da diabetes, para caminhar, e a praticamente extinta visão.

Era, então, um velho quase cego, e manco. Mas em Alegrete, uma fria cidadezinha interiorana do Rio Grande do Sul, a profecia de ciganas assustava aos adultos, mas não crianças. Como o tal ditado que nos diz: “praga de urubu não pega em beija-flor”. O jovem de cabelos soltos, bem formado queixo e delimitado rosto grego livrou-se espertamente do destino trágico. O espírito de rapaz galante burilava carrinhos de rolimã.

Na entrada da tenda, donde saiu sob numerosos aplausos, o suor ainda lhe deixava o respirar sôfrego, como em água do mar profunda de sal após o mergulho. A dificuldade para bombear o sangue para os pulmões percebeu-se sentimento corrente, itinerante, que o acompanhava para qualquer viagem, fosse de trem, cavalo ou voo. Era o dom se moldando no ser de barro, osso, carne, veia, e o tão petulante coração.

Com o que tinha às mãos, sensíveis e audaciosas, comprou passagem para São Paulo. No umbigo do mundo, trocou nomes, crenças, sexos, rostos. Deteve-se, de pé, em panteão, e por um estranho costume, aderiram-lhe, antes da alcunha do batismo, outra, respeitável, sonora: ator. Entendeu, imediatamente, o significado da “palavra”. E percorreu, aos poucos, com singular perspicácia e estudo, as camadas intra-moleculares do nobre ofício.

O tempo, então, balança-lhe naquelas mãos qual carrinho de rolimã: controlava, soltava, dominava, dava asas à imaginação. Ora padre temendo o Diabo, outra ateu, comunista, Maia. “Um exibicionista, um palhaço”, assim referia-se a si, e aos colegas de profissão por quem mantinha certo respeito, somente. Outros ficavam de fora, jamais lembrados com tais gracinhas saborosas. E obviamente honradas.

O nome de batizado veio com toda força, prova, no dia da ressurreição. Walmor Chagas: que expôs as feridas, atentados, contra, a favor da humanidade, por conta de um amor largo, irrefreável, dedicado à Cacilda Becker, esposa de doze anos, fundadora atriz brasileira. À Ziembinski, Stanislavski, ao Teatro, ao Cinema, a novela – para polpudos bolsos -, delicados mestres de um discípulo do pavor. Basta vê-lo na “Valsa para Bruno Stein”, ou recorrer à memória onde os olhos crespos de “Um Homem Indignado” conta-nos a cruel façanha.

Afinal a vida vertida à Arte, nada mais, do que dramática.

Walmor-Chagas-Teatro.jpg

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

8 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade