Teatro: A Gaiola das Loucas

Peça de Miguel Falabella arranca risos por motivos díspares

Teatro brasileiro

O teatro de Jean Poiret chega ao olhar do público mineiro através da lente de Miguel Falabella. O ator, diretor e adaptador do texto, “A Gaiola das Loucas”, trouxe para Belo Horizonte versão reduzida do espetáculo, apresentado no Palácio das Artes nos últimos dias 5, 6 e 7 de agosto, e que por motivos estruturais teve que abrir mão do encanto e da magia do cabaré e das performances musicais dos personagens.

A peça arranca risos do público por motivos díspares. Se por um lado o humor físico e as patacoadas garantem sonoras gargalhadas, as tiradas reflexivas de Falabella merecem melhor destaque. Fazendo uso do jogo habitual de conjugar o grotesco e o suave, o ator encarna o marido do casal gay balançando-se entre o charme e a vulgaridade.

O interessante a notar é que o humor agressivo e muitas vezes politicamente incorreto de Falabella, que sem moderação, comanda a peça, jamais agride o público. A ausência de Diogo Vilela é notada, embora Sandro Cristopher se esforce, e os coadjuvantes percam o fôlego quando não contam com a presença do diretor em cena.

O cenário provocativo, recheado de referências explícitas ao universo gay, destaca-se mais como personagem do que o restante do elenco. O único número musical apresentado é dos melhores momentos da peça, numa encenação “comportada” de Sandro Cristopher. A música, a iluminação e o cenário alimentam a sensação de desejo, pela consumação irrompida. Desejo este, saciado em pequenas doses, nos números improvisados que remetem à realidade próxima do brasileiro, que entre Dilma e Alcione, se vê refletido no espelho da França, quando se percebe: o amor e o riso talvez sejam as armas contra a caretice.

Sem levantar bandeiras, porque não pensar numa mensagem implícita? Que a violência e o preconceito sejam varridos pra debaixo do tapete, rosa e com detalhes de oncinha.

Peça musical

Raphael Vidigal

Publicado no jornal “Hoje em Dia” em 09/08/2011.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

5 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade