Crítica: peça “Memórias de Ana” é acessível porque diz respeito a todos

“Uma maneira simples de sentir a linguagem é quando ela falta.” Heidegger

Memórias de Ana traz recursos para inclusão de cegos, surdos e mudos

Somente a proposta inovadora não seria suficiente para tornar “Memórias de Ana” um espetáculo interessante. O mérito reside justamente de que essa linguagem democrática e inclusiva usa dos gestos em sua qualidade cênica que, para além de informar, capta e distribui emoções. Pois é com sentimentos e sensações que se conta uma história. Protagonistas em cena, Dinalva Andrade e Andressa Miranda atravessam com segurança e delicadeza as nuanças da personagem, com destaque para o tom jocoso, e criam, ainda, uma relação harmônica entre si. Dinalva também participa da dramaturgia, ao lado de Allan Machado, que é, sem dúvida, o grande trunfo do espetáculo. Como foi dito, tudo é observado e tido como recurso cênico, extrapolando, assim, sua condição exposta. A função da arte é propor a liberdade, ou alguma libertação.

A trilha sonora criada e executada por Glauber Rodrigues e Felipe Rezende e a iluminação de Pierre Rodrigues convergem em favor da trama, pontuando seu ritmo e ampliando os efeitos no palco. A direção a cargo de Lenise Moraes e Oscar Capucho adota essa perspectiva poética em que o lúdico e a fantasia se impõem. Decisão que permite à mímica, o teatro de sombras, a linguagem brasileira de sinais (Libras), a música e até a aspersão de odores convivência plena em meio às memórias contadas, de que o espectador desconfia haver algo de real e outro tanto de imaginário, afinal trata-se de uma história comum, acessível a todos, não apenas em sua apreensão física, mas porque ela tem, sobretudo, a banalidade das estórias que acontecem sempre, e por isso tornam-se eternas. Aquilo a que a tradição chamou de “contos de fadas” e que, para além da moral, guarda sinônimo de identificação com a espécie humana.

Serviço
“Memórias de Ana”
Dramaturgia de Dinalva Andrade e Allan Machado
Direção: Lenise Moraes e Oscar Capucho.
Com Andressa Miranda e Dinalva Andrade.

Memórias de Ana é protagonizada por Andressa Miranda e Dinalva Andrade

Raphael Vidigal

Fotos e Vídeo: Suelen Thompson.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

2 Comentários

  • Seu olhar sempre poético e delicado dá mais beleza ao mundo. Obrigada pela sua visão e generosidade de olhar!

    Resposta
    • Eu quem agradeço as palavras e, principalmente, a oportunidade de presenciar este espetáculo. Sucesso!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade