Crise dos refugiados: 5 músicas para incentivar a tolerância à diversidade

“pariso
novayorquizo
moscoviteio
sem sair do bar

só não levanto e vou embora
porque tem países
que eu nem chego a madagascar” Paulo Leminski

Chico-Buarque

Com o mundo em convulsão devido às guerras no Oriente Médio, abastecidas pelas grandes potências, tais como Estados Unidos e o continente europeu e que, segundo relatórios da Anistia Internacional, continuam enviando armas para a região, onde há grande quantidade de petróleo, põe-se novamente à prova questões sobre a solidariedade humana e o modo como se comportar no mundo. Mais do que isto, a tolerância à diversidade é um tema que desafia a espécie e seus pares. A crise dos refugiados alimenta migrações em todo o planeta. Cinco músicas compostas por pessoas das mais diferentes tribos demonstram como é possível ter um ideal comum, propor a união e enriquecer a existência a partir da congregação; de culturas, instrumentos e vozes.

Black is beautiful (soul music, 1971) – Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle
Em plena ditadura militar no Brasil, no ano de 1971, os irmãos Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle lançaram um hino à beleza e força dos negros. Para tanto, fizeram uso de um dentre os inúmeros ritmos identificados com a causa, a “soul music”. Neste mesmo ano Elis Regina, como era de costume quando interpretava qualquer canção, acrescentou ainda mais charme e vigor à música. “Black is beautiful” reage com indignação e coragem a todo o histórico de discriminação contra os negros, os estereótipos e condições petrificadas pela escravidão, e arremata com versos de erotismo e sensualidade pungentes: “Eu quero um homem de cor, um Deus negro, do Congo ou daqui, que se integre no meu sangue europeu…”.

Qualquer coisa (tropicália, 1975) – Caetano Veloso
De maneira bastante enviesada, como era habitual na tropicália, movimento capitaneado na música por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Os Mutantes, dentre outros, o baiano de Santo Amaro, irmão de Maria Bethânia, presta uma homenagem aos povos árabes que deixaram em terras brasileiras ditados que se acoplaram à linguagem, e se tornaram, pela própria natureza, muito populares. Este recurso é facilmente notado quando Caetano mistura e reinventa frases, partindo do pressuposto do próprio movimento onde sua música está inserida, a tal antropofagia, a formação mestiça de toda a nação brasileira. “Esse papo já ta qualquer coisa, você já ta pra lá de Marrakesh, mexe qualquer coisa dentro doida, já qualquer coisa doida dentro mexe…”.

O Brasil vai ensinar o mundo (balada, 1989) – Cazuza e Renato Rocketh
Na última faixa, do último lado, do último disco de Cazuza, o poeta exagerado deixa uma mensagem de acolhimento e esperança tanto para o mundo quanto para o Brasil. “O Brasil vai ensinar o mundo”, parceria com Renato Rocketh, foi gravada em 1989, mas só lançada um ano após a morte de Cazuza, em 1991, no disco póstumo “Por Aí…”. O autor de “Ideologia” prega justamente a troca e interação entre as culturas para a melhoria de todos os lados. Já com uma voz cansada, o poeta ainda tem tempo de deixar aquele que talvez seja seu recado mais importante e que precisa, cada dia mais, ser escutado: “O Brasil vai ensinar o mundo, a convivência entre as raças, preto, branco, judeu, palestino, porque aqui não tem rancor, e há um jeitinho pra tudo. (…) O Brasil tem que aprender com o mundo, a ser menos preguiçoso, a respeitar as leis, e eles têm que aprender a ser alegres…”.

Paratodos (MPB, 1993) – Chico Buarque
Não há exemplo maior de riqueza e diversidade cultural do Brasil do que a música “Paratodos”, lançada no disco homônimo de Chico Buarque em 1993. E não é por acaso. Chico carrega a herança desde o pai, o historiador Sérgio Buarque de Hollanda, que cunhou o controverso termo “homem cordial” para o brasileiro, mas é, sobretudo, por sua arte que o compositor se destaca nessa seara. Chico é capaz de reforçar a tradição sem perder o olhar para o contemporâneo, é o famoso “um olho no gato, o outro no peixe” que contempla os clássicos.  Se há no Brasil muitas culturas diferentes, é essa sua maior riqueza. A diversidade, a gama de cores, a explosão de sotaques e expressões, cada Brasil é um Brasil, e todos são musicais. “O meu pai era paulista, meu avô pernambucano, o meu bisavô mineiro, meu tataravô baiano, meu maestro soberano, foi Antônio Brasileiro…”.

Inclassificáveis (rock, 1996) – Arnaldo Antunes
Arnaldo Antunes encerra a discussão teórica sobre a denominação racial do povo brasileiro com sua poesia concreta. No ano de 1996, em rock que por si só explica a conversa. “Inclassificáveis” é o nome da canção lançada no álbum “O Silêncio”, e regravada por Ney Matogrosso em 2008, quando usou a música para intitular seu disco. Arnaldo parte das três raças que inicialmente mestiçaram e mistificaram o Brasil, “preto, branco e índio”, para alcançar a gama de culturas e cores que resultou desse congraçamento, “mulatos, mestiços, cafuzos, pardos, mamelucos” até os inventados pelo próprio autor “crilouros, guaranisseis, judárabes, orientupis”, e expressões populares cunhadas pelo povo, “sararás e caboclos”, dentre muitos outros. O arremate de Antunes é certeiro e não deixa dúvidas, ou melhor, abre espaço para perguntas, questionamentos, respostas, culturas… “Somos o que somos, somos o que somos, inclassificáveis, inclassificáveis…”.

jair-rodrigues-e-elis-regina

Raphael Vidigal

Fotos: Capa do disco “As Cidades”, de Chico Buarque; e Elis Regina e Jair Rodrigues no programa “O Fino da Bossa”, da TV Record.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com