Wesley Safadão: “É preciso que haja controle sobre o desmatamento”

“A música veio ao mundo para suscitar prazer.” Thornton Wilder

Wesley Safadão, 31, foi o único dentre os 10 artistas mais populares do Brasil a declarar seu voto durante o primeiro turno das eleições presidencias do ano passado. Na época, o cantor, que integrava a lista de vídeos mais visualizados no Twitter e se mantinha entre os recordistas de cliques também do Spotify, anunciou que votaria em Ciro Gomes. O candidato do PDT chegou a ser governador do Ceará e prefeito de Fortaleza, cidade natal de Safadão. Em junho deste ano, o músico protagonizou outro episódio inusitado. Amigo de jogadores como Neymar e Philippe Coutinho, ele foi convidado a entrar no vestiário da Seleção Brasileira de futebol na estreia da Copa América, em São Paulo, acesso que foi negado ao presidente Jair Bolsonaro. Içado à fama como vocalista da banda de forró Garota Safada, em 2007, Safadão passou, com o tempo, a acrescentar cada vez mais misturas em seu caldo musical. “Amor Falso”, gravada com Aldair Playboy e Kevinho, com 370 milhões de visualizações, é um desses exemplos. “A música é uma arte, não é algo fechado, e isso eu gosto e valorizo muito”, informa Safadão, que admite ouvir a voz do povo na hora de decidir o que cantar. Leia abaixo a íntegra da entrevista com o artista.

1 – Uma crítica publicada no jornal Metrópoles, de Brasília, sobre o seu mais novo DVD, afirma que o seu talento não pode mai ser restringido ao rótulo do forró. Como você definiria seu estilo musical?
Uma coisa bacana desse mundo musical é a liberdade para andar por muitos gêneros diferentes. A música é uma arte, não é algo fechado e isso eu gosto e valorizo muito. Acompanho minhas redes sociais e sempre estou me comunicando com os meus fãs, e isso me ajuda na hora de montar os meus novos repertórios. Nesse DVD etá cheio de gente boa e amiga do meu lado. Fiz o convite e eles toparam, ficou demais. Desde que eu comecei, permanece a vontade de sempre aprender e evoluir mais, buscar novos caminhos e estar disposto a ousar. O que mudou, além do cabelo, foi que, conforme fomos soltando novos projetos, a agenda ficou mais apertada e a responsabilidade em fazer um bom trabalho aumentou.

2 – Numa recente postagem feita durante um passeio seu no Rio Negro você declarou que “O Amazonas é lindo” e saudou “a terrinha”. Como tem visto essas polêmicas em relação às queimadas e o aumento do desmatamento na região?
A questão da Amazônia é muito difícil de avaliar, é preciso que realmente haja um bom controle sobre o desmatamento e os incêndios, e que possamos cuidar e preservar a nossa floresta. A música pode sempre ser usada como uma mensagem de amor, de paz, de esperança e cuidado.

Raphael Vidigal

Fotos: Instagram/Reprodução.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com