Três receitas infalíveis

“Só um pensamento me oprime: que acontecimentos o destino reservará a um morto se os vivos respiram uma vida agonizante?” Murilo Rubião

Pintura do expressionista alemão Edvard Munch

O cemitério convida a entrar: “Bem-Vindo!”. Ignora o pedido e a educação recebida em casa de tia Laura. Foge pela culatra o tiro no pé descalço. Não é possível um cemitério convidar com tamanha pompa. De certo um trocadilho, engano, piada. Na mesa ou janela… Sim, existem janelas em cemitérios, observe a lápide… Na mesa ou janela, havia um cardápio… Onde se lia fraco: “Bem-Vindo!”. E o garçom, um pouco constrangido, responde: “Vá à panela e tire um pedaço do bolo, sem muito esforço, a melhor fatia para a tua fome”. Foi aí que atolamos o carro. Presos pelos cipós das correntes telúricas não é possível seguir viagem.

O bruto animal não se locomove diante do frígido congelamento, as patas carecas entregam-se à argila consistente. O convite é exato: o cardápio, a lápide. Que não entendo o óbvio, a matéria, o miserável, confuso!  Os homens preguiçosos, espreguiçando-se como gambás de luxo, após horas de cachaça goela abaixo, não se agradam com a ideia de aventura no meio da peregrina tarde: indo embora, sol posto, vermelho rubro. Todos no mesmo combate, mesma direção, meus olhos: deixo o cemitério com a impressão de ser bem recebido pelos mortos.

Eles me convidaram, fui com minha alma penada, roupa na mesma linhagem, e meus desejos de morte. O bolo do prato encerrado em meu estômago, agora largo, prestes a explodir como um vulcão em erupção, e os calores do deserto do Saara. Os mesmos desertos, as coisas mesmas, se locomovendo, por si só, encontram-se. Salvaram o carro com a ajuda dos velhos. Os mais novos nem se mexeram. Três histórias ao meio para azedar o acinte: – Um pouco de tragédia – Um pouco de comédia – Um pouco de sufoco – Um copo de mistério – Um copo de fermento – Um copo de farinha – Nada que se compreenda cabe em Santa Maria.

Munch retratou a sociedade de sua época com cores marcantes

Raphael Vidigal

Pinturas: Obras de Edvard Munch.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade