Teatro: Vermelho

“Todos sabem que a inteligência nos faz desembocar apenas nas névoas do ceticismo.” Salvador Dalí

Antônio Fagundes Teatro

Há um homem sentado de costas. Avisto luzes por sobre as cores, abajures baratos, um silêncio, o barulho. Tapetes, tapumes, escondem cadeiras, teto, assoalho. A cena é um mistério. Reverbera o vermelho, intacto.

Se assim continuasse, caso não descobrissem se tratar do homem aquele visto como galã, e os quadros tivessem sido referendados a um esdrúxulo bruxo, ou  a um mendigo abstrato, haveria os aplausos robustos ao final da apresentação?

Não importa. Antes de ver Antônio Fagundes dar vida à Mark Rothko, a quem, pelo espírito provocativo, conservo especial curiosidade, presenciei um ator muito superior ao visto em distantes tubos decorando casas de paredes brancas entre fios de eletricidade. Gosto de como dissipa as falas, da rouquidão.

Mas há o escuro. Por sobre o escuro uma iluminação manipulada a garantir a ilação entre tinta e lâmpada. Uma escorrega, escorre, a outra pisca, brilha, fere, atinge o glóbulo sanguinolento de globos futuros.

A discussão sobre arte, consumo, tempo, entranhas, funduras, interessa-me muito, e asseguro, Fagundes e o filho Bruno bem a conduzem, por conta da experiência do primeiro e o bom porte físico do segundo, a arrancar suspiros de fêmeas e machos.

O teatro, como recorte fantasioso da realidade, é um espaço onde cabe filosofia límpida, e apelação lânguida, contrastes como Rothko e o desconhecido e inexistente Ken, a assistir o mestre e procurar parágrafos.

A música, erudita ou jazz, e a arte, expressionista ou pop, abraça os espectadores numa maré vermelha, cereja – artificial – a ser saboreada, enjoativa e doce, forte, mas pequenina, que logo acaba. E voltam-se os rostos para a saída, pois o pano desce, divertiu alguns, entediou uns tantos. O homem, de costas. “Crie algo novo”, afiança.

Teatro Vermelho

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

11 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com