O Sonho da Vida

“Ando perdida nestes Sonhos verdes
De ter nascido e não saber quem sou,
Ando ceguinha a tactear paredes
E nem ao menos sei quem me cegou!” Florbela Espanca

William Turner pintou os mares e tempestades de sua época

Arrancar pedaço? Arrancar pedaço. Todos querem arrancar pedaço. A mãe de João Cornélio na cama nova. Grilo entre frutas e doces. A senhora, um leve buldogue. O Gordo e o Magro. Tânia, a tabeliã. Das Neves e o manto furado. Maria, Marina e a cobra. Vanessa e o seu decote. Fernanda e Leonardo. Aline na beira do lago. Zaira uma massa gorda. Leva dinheiro, arranca estacas. Nada se prende, nada se afoga, nada é profundo. A flor no chão, atropelada, que convidou, serviu o chá. Não existe mais. A onça fanha, ou era flor? Ou era Ágata? Ou era Jade? Muda o nome, mudam os rostos, muda o enterro, e até o defunto, mas o cavalo ainda é um bode. Por entre casas, e cemitérios, e até cortinas, desejos feitos, e as meninas, tão comportadas, a virgindade, deixaram em casa, só para os pais, ainda são santas. Giram os peões. Giram os cachorros. Giram os ossos. Do velho padre: Homero bravo, batina roxa. E a berinjela, aos degradados: tosca, amarela. Uma cidade. E a tal cigarra? Mas as formigas a devoraram. Passa subterrânea, ninguém vai ver: o nosso estrago. Uma cigana previu o futuro. Hoje está morta. E tem certeza. De que a vida. É um grande sonho.

Embora importe isto não modifica nada. Foi a percepção a denotar o ar indiferente, circunstancial e tacanho. Passam os dias ásperos neste escritório inconsolável. Escamoteada, instável, mendiga uma última algazarra: a história. Os dedos doem. Testículos inchados prendendo a explosão da euforia latente, lactante o seio das grávidas. Por saber que o durar será de um segundo, e o sofrimento, e o cansaço, e a procura, e o destino, e a sombra nesse sol áspero, eternos. Por saber que o alívio existe não crer em redenção. Definho-me debaixo deste costumeiro sol ou voo em direção às chuvosas nuvens e negras? O sol me aborrece, queima as pupilas se muito me olhar diretamente, garante tranquila soneca após o almoço. As nuvens, enchentes de águas, podem me transportar para outro lugar, novo, esmero de obstáculos imaturos. O velho é a certeza de dias piores à espreita, sóis. O novo é a insegurança, caule à mesa, promessas de vida? Ou de morte, apenas.

William Turner foi um dos pintores mais controversos de seu período

Raphael Vidigal

Pinturas: Obras de William Turner.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com