A Novela de Sebastiana e do Coronel Bim Bim

“Minha mãe cozinhava precisamente: feijão-roxinho, batatinha e tomate. Mas cantava.” Adélia Prado

Robert Mapplethorpe criou obras instigantes e vivas

Proíba-me de falar. Embora lá estive, e estivarei. Entre cacos e rãs e anéis. A mão sobre a lã enrolada das ovelhas, do sono: e Vanessa: vermelha. Depois, proíba-me de contar os casos dos índios, dos mitos, dos bárbaros. Da mulher presa em casa enquanto a onça arranha a porta sentindo cheiro de gente: faminta. Onça só caça gente quando não há mais comida. Na natureza predomina o verde… Renasce exuberante, e bela, ostenta na mesa os quitutes disputados a tapas por crianças de todas as idades… O rio seco de um homem, ou menino, caminha na pedra à distância. Uma casinha, casebre, senzala, no meio do rio seco. O rio seco. A aura seca. A alma seca. Os hipopótamos nas fuças das tenebrosas pedras: e temerárias. Uma paisagem outrora desértica, precária, não mais idônea.

O carvão lhe prova o quanto é difícil a reconstrução dos sonhos. Pretos olhos. Sebastiana andava pelas ruas sobre sua mula: princesa: as duas. Morreu pobre, e desgraçada. Hoje tem busto. Apaixonou-se pelo James Dean da cidade. Roberto Esporinha era o nome do rapaz galanteador. Mas Coronel Bim Bim, o maior demônio, covarde, morreu com um tiro da amante, na casa de milho, e na última passeata, sobre uma carroça em frangalhos, o corpo sem coração, quase itinerante, que ainda bate, quase no final, morre. Carregado de pança pra cima e ensanguentando em praça pudica. Proíba-me de falar: mesmo assim, conto. A capoeira, o cordel, os índios são nômades, vermelhos canibais, disse a cigana – Ágata: TUDO PODE.

Retrato pertence à obra de Robert Mapplethorpe

Raphael Vidigal

Fotos: Obras de Robert Mapplethorpe.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com