Cinema: James Dean

“Não é a violência que eu procuro mas uma força ainda não classificada que nem por isso deixará de existir no mínimo silêncio que se locomove.” Clarice Lispector

Juventude Transviada

James Dean me abordou na rua, pediu dinheiro, sacou o canivete, colocou-o rente à minha goela. Parecia galinha em dia de abate. O escritor não deve ter vaidade, pudor nem vergonha. Virou as costas e começou a meter. Sinto falta de porrada. Inspiração de resíduos.

Os cabelos despenteados, loiros e rebeldes. Em seguida, entrou no carro e acelerou. Naquele acidente de percurso, ele morreria. Numa explosão grandiosa. Nunca mais o vi. Deixei cair um lenço na visagem. Seus olhos intermitentes ainda acenaram a agonia.

O peito rijo e musculoso. Colecionei pôsteres do diletante homem, ser humano destituído de caráter. Um cuspe, o escárnio, a violeta anarquia, foram marcas a arranhões cooptados. Sandice e fluido de esgoto aspergem as macedônias enfileiradas no estande das lembranças.

Pés lisos, unhas bem cortadas. Nunca pisou em esmaltes irregulares aquele menino manhoso, mimado. Tenho o fôlego curto, e por isso respeito com dificuldade. No letreiro, lia-se em néon a candente: “Juventude Transviada”.

Besouro sorrateiro cego. Aturdido. Distraído. Tinhoso. Arguto. Espontâneo. Ventosa. Naftalina. Desvalido. Lacônico. Aglutina. Pichado. Monossilábico. Vago. Relapso. Marasmo. Pasmaceira. O besouro é solene. Em sua dança cega e atormentada. O besouro tangível. Em duas camadas expostas. Incongruência, o obstáculo, a horda, e é generoso. Palavra quando tem o núcleo imprecisa recapeamento.

A literatura e o cinema, não podem oferecer nada. Nem pedir. Inconcebível o ato – eliminar uma vocação. Rateio perene o respaldo da miragem. Nau do texto me custou caro. Raro, reluzente, indissolúvel. Proa ciceroneia. Farto persiste o tilintar das horas. Perplexo testemunha…

Esquecemo-nos James Dean, gana e força de camaleão, ora hermafrodita – suburbana androginia. Espírito pouco afeito a comunidades. Risível, pulsa o corvo nu grelo das hostilidades. Pára de escrever.

Fomenta-se o conflito, vulcão. Cartolina porosa e acrílica esboçada no chão do abismo, para que deitem as nádegas, pertenço ao obscurantismo, vitupério vilipendiar vetusto. Flácido de porcelana, alvissareiro, sádico. Minha penitência consistente, compactuei com o inusitado, atraente, mística de mil palavras, não diria, dói.

A imagem rupestre infringe mais do que duzentas agulhadas. Rilke. Kafka. Cisco obsceno, eu não tenho piedade. Dean, James – visgo de insensatez.

ator James Dean

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

16 Comentários

  • Eu já li aqui e achei genial. James Dean teve uma vida e carreira muito curtas, mas que nem por isso deixaram de ser marcantes.

    Resposta
  • Grande ídolo do cinema mundial que, ao partir cedo, num acidente automobilístico, deixou para sempre a imagem da enterna juventude. Abraço, amigo Raphael!

    Resposta
  • James Dean, marcou a sua geração.!! Quem não se identificou com ele!!!! James Dean, um ator inesquecível!!!!!

    Resposta
  • Fabulosooo!!!!

    Adorei essa parte:

    “Fomenta-se o conflito, vulcão. Cartolina porosa e acrílica esboçada no chão do abismo, para que deitem as nádegas, pertenço ao obscurantismo, vitupério vilipendiar vetusto. Flácido de porcelana, alvissareiro, sádico”.

    Flácido de porcelana… hhauhauha
    mto bomm!!! gosto do q não combina, nao faz sentido e q mesmo assim passa uma sensação, engraçada às vezes.

    Resposta
  • Maravilhoso, como sempre….Texto/poesia nos brindando com o prazer de regressarmos aos bons filmes e às boas leituras. Parabéns, Vidigal!!!

    Resposta
  • ?”Minha penitência consistente, compactuei com o inusitado, atraente, mística de mil palavras, não diria, dói.” Vidigal

    Posso te falar que tenho ficado cada dia mais impressionada com seus textos?! Como sua escrita tem amadurecido, e como tem sido rápido!

    Resposta
  • A leitura de seus textos promove mais do que um mero “like”. Buscar, no dicionário, o entendimento daquela palavrinha elegante que aguça nossa curiosidade não tem preço! Bacana, PH!!!

    Resposta
  • Agradeço a todos que comentaram pelas palavras elogiosas e de carinho! Voltem sempre ao site =) Grande abraço!!

    Resposta
  • Tenho um medo qdo essas palavras exóticas são interpretadas equivocadamente… hahaha

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade