Mestres e discípulos: 10 encontros entre gerações na música brasileira

“Não busco discípulos para comunicar saberes. Os saberes se encontram em livros. Busco discípulos para plantar neles as minhas esperanças.” Rubem Alves

Sabedoria e energia volta e meia se encontraram nos palcos da nossa canção, com a juventude recebendo o que de melhor poderia oferecer à velha guarda e vice-versa. Sem perder tempo com paradigmas, nossos artistas mostraram que idade é uma questão de estilo, muito mais do que de gênero, tanto que rock, samba, choro e baião se misturaram nesse caldo musical.

Gal Costa e Maysa
A musa da Tropicália dividiu o palco com a diva do samba-canção em 1975, no programa Fantástico, da rede Globo. Juntas, elas uniram as vozes para interpretar “Resposta”, de Maysa, e “Coração Vagabundo”, de Caetano Veloso.

Clementina de Jesus e João Bosco
O Projeto Pixinguinha possibilitou o encontro, em 1977, de João Bosco e Clementina de Jesus. O cantor se afirmou várias vezes influenciado pela rainha Quelé, que era 45 anos mais velha do que ele.

Jards Macalé e Moreira da Silva
O Projeto Pixinguinha também propiciou, em 1977, o encontro do irreverente Jards Macalé com o ícone do samba de breque, Moreira da Silva, conhecido como Kid Morengueira. Em 2001, Macalé gravou um tributo a Moreira.

Elis Regina e Adoniran Barbosa
A gaúcha Elis Regina se identificou tanto com o paulistano Adoniran Barbosa que, além de “Tiro ao Álvaro”, cantou com ele “Saudosa Maloca”, “Iracema” e “Um Samba no Bexiga”, tudo em 1978.

Rita Lee e João Gilberto
No ano de 1980 Rita Lee foi convidada por João Gilberto para cantar com ele “Joujoux e Balangandans”, marchinha de Lamartine Babo de 1939. Em 1982, Rita recebeu João em seu LP para cantar “Brazil com S”, da cantora com Roberto de Carvalho.

Elza Soares, Baby do Brasil e Ademilde Fonseca
Considerada a Rainha do Choro, Ademilde recebeu Baby do Brasil no palco para cantar “Delicado” em 1985. Em 2010, Elza Soares se juntou à dupla para interpretar “Brasileirinho” e outros clássicos.

Gilberto Gil e Cazuza
Em 1987 a dupla se reuniu no palco para cantar a música que compuseram juntos, “Um Trem Para as Estrelas”. Gil fez a melodia, e Cazuza escreveu a letra da canção que foi tema do filme de mesmo nome.

Nelson Gonçalves e Lobão
O roqueiro Lobão compôs, em 1987, “A Deusa do Amor”, feita sob encomenda para Nelson Gonçalves, cantor da era de ouro do rádio. Um ano depois, os dois subiram ao palco do Globo de Ouro para cantar a música.

Tiago Iorc e Milton Nascimento
Depois de assistir a um programa de televisão, Milton Nascimento resolveu convidar Tiago Iorc para uma parceria. Além de uma turnê, o encontro gerou a música “Mais Bonito Não Há”, lançada em 2017.

Nando Reis e Anavitória
Em junho de 2018, o antigo baixista dos Titãs e a dupla de Tocantins anunciaram uma turnê especial de Dia dos Namorados. No dia 24 de novembro, Nando Reis e Anavitória voltam a se apresentar em Belo Horizonte.

Raphael Vidigal

Fotos: Felipe Simas/Divulgação; e Rafael Trindade/Divulgação, respectivamente.

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

[xyz-ips snippet="facecometarios"]