Marcellino, Pão e Vinho

“Voaram telhados, voaram andaimes, voaram coisas imensas:
os ninhos que os homens não viram nos galhos,
e uma esperança que ninguém viu, num coração.” Cecília Meireles

marcellino-vinho

Partiu-o ao meio. Não notou a natureza amedrontada do objeto estático. Mal lhe escapara o pé descalço a obstruir luz para couves e verduras outrem, quanto mais a natureza estática do objeto amedrontado. Feriu-lhe o bojo desprovido de pudor. Arregaçou as mangas encardidas do fiapo que protegia o próprio cadavérico corpo e iniciou o calvário da natureza inapta. Em momento algum se precipitou, nem se demorou além do necessário, a morte recolheu-se ao abrigo num acordo tácito.

A tigela, em frente, borbulhava com o leite fresco colhido das tetas da mais gorda vaca durante os primeiros raios daquela manhã. Calor e angústia aperfeiçoavam a pagã caminhada a desembocar no rito obrigatório. Aquela abatida de intrigas e indispensável desordem à fome terrena do menino magro. Agora, enquanto descia o líquido fresco que esquentava boca, pulmão, estômago, possuía nome, e um branco bigode, invisível e risonho, da infância apressada.

Os frades, então, o chamaram. Como de costume, tropeçou em qualquer prego solto da tábua a proteger o chão do convento pobre. Aproximou-se ansioso, descuidado, e ao intento de recolocar o prego no lugar disposto uma mão tomou-o obstinadamente, com a violência dos condenados. Encarou-o, mesmo sem olhos, e mesmo onde a boca confundia-se a uma sepultura vestida de rosas percebeu os espinhos maduros despencando em lentidão rumo às cansadas tábuas.

Partiu-o ao meio. Não notou a natureza amedrontada do objeto estático. Mal lhe escapara o pé descalço a obstruir luz para couves e verduras outrem, quanto mais a natureza estática do objeto amedrontado. Feriu-lhe o bojo desprovido de pudor. Arregaçou as mangas encardidas do fiapo que protegia o próprio cadavérico corpo e iniciou o calvário da natureza inapta. Em momento algum se precipitou, nem se demorou além do necessário, a morte recolheu-se ao abrigo num acordo tácito.

A tigela, em frente, borbulhava com o sangue quente colhido das difíceis veias de Marcellino durante os crepusculares bocejos da chuvosa tarde. Esmoreceu junto ao frio e a tranqüilidade veio ter com tua alma. Aquele estado repousante, em que a fome cala no pão, e a sede cala no vinho, denotou-se de maneira intrínseca, ao celebrarem, ano após ano, a data. Abençoaram a memória, intentando ao não esquecimento, ao alçarem-lhe à circunstância sagrada: Marcellino Santo.

No entanto, quem tem fome de mim não discorda, tudo o que Marcellino queria era um pedaço de pão, e um pouco de leite, a fim de acalmar o estômago. Posto que modificaram a lenda, e trocaram o líquido branco pela espessa camada tenebrosa do vinho tinto, é que não se deve acreditar em milagres repetidos oralmente.

marcellino-pao-vinho

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

10 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade