Artes Plásticas: Caravaggio

“Pois o homem se enclausurou a tal ponto que apenas consegue enxergar através das estreitas frestas de sua gruta.” William Blake

Michelangelo Merisi da Caravaggio

Uma luz de lampião. Invento cela e mirra. Incenso, vela e granizo. Esganiço o grunhido a gancho. Um rosto atávico remissivo. Enfronhado num enfadonho decompor de caules. E o dedo podre, e os olhos hirtos, e o pelo branco, e a face atônita, e o tronco cheio de indelicadezas delicadas vive.

Tudo há vida, terno habita, tenso levita, cosmos transita, Eros suscita em Caravaggio. Do homem preso, ignorado. Do beiço lepra, resignado. O selo ordenha o maltrapilho, deus maltratado. Que mistérios tem o rinoceronte? De chifres e porte não lhe servem senão aos montes celestiais.

Monges e mantos, mantas e marasmos, ilhas e panos convivendo no mesmo plano. És tu plano de deus? És tu planta do diabo? Carnívora ou transparente? Ciclo da vida ou enfeite? Cachoeira ou audaz nascente? Com a relutância do sol ao obstruir o ápice da morte ou a sensatez da lua ao se abster em corte.

Colônia pode ser perfume. Colônia pode ser escravidão. Criada pode ser emprego. Criada pode ser Luz, Iluminação, pode ser Deus. Pode ser o homem. Com fé. E sem Compaixão. O Sacrifício, a escritura da bíblia, Medusa é o amuleto do condenado, a meditação de Francisco. O amor é um desaforo. Desafogo fogo foro forro. À forra com teus bulhões! Afora teus grilhões. Lá fora semente e sabor.

Michelangelo Merisi da Caravaggio. Sereis claro: erguestes o ponche de tinta qual quem só luta a espada, ranhou sangue, arrancou luzes, vidas, cinzas, frágua duma ponta de cigarro. Por mais tempo permaneceria repulsa refratada indigesta, não fosse a barriga grávida do mundo cuspindo indiferença e cordão umbilical.

Estilhaços indolentes rastros. No asfalto. Cravos pertinentes traços. Sois paio. Trigo triturado. Solene rachadura. Bardos Bacos. Diletantes Harmonias Instauradas: Sob Um Parco Tenebrismo, Caravaggio. Costas e costelas e colunas de Adão e Eva às ruínas.

Nasce para o mundo, assim um bebê sem história, no entanto réstia hóstia. Nasce para o mundo, assim um bezerro sem teta, no entanto grita e chora. Nasce para o mundo, assim vazio do absurdo, um gênio de carne e osso, no entanto mata e reinaugura a desordem. Impregnada a técnica se repete em cravo e viola, cheiro de cupim e madeira rançosa.

Caravaggio é antes de tudo um santo. Abaixo de todos um escravo, o diabo pecador, um demônio. Ao lado do ferro o mofo, a ferrugem, a alçadura, a lavoura, a candura, o besouro, a escuridão cega e branca, o negro manto da morte, a alva branca rebelião da paineira. Acima do descontentamento, o pintor, devassadamente humano e atormentado.

O deus descalço levando sandálias debaixo do braço.

Pintor Caravaggio

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

10 Comentários

  • Muito bom!!!
    Descreveu bem!
    E adorei esse trecho aqui:
    “Tudo há vida, terno habita, tenso levita, cosmos transita, Eros suscita em Caravaggio. Do homem preso, ignorado. Do beiço lepra, resignado. O selo ordenha o maltrapilho, deus maltratado”.

    Acho q sintetiza tudo! ^^

    Resposta
  • Belo. Belo. Belíssimo!!!
    Magnífica exposição que vc soube retratar muito bem.
    Parabéns, Raphael! Beijos…

    Resposta
  • Ei Raphael, obrigada pelo post. Meu sinal está péssimo e não consegui abrir ainda. Assim que conseguir, te dou retorno. Grande abraço!!

    Resposta
  • Parabéns pelo site Raphael Vidigal eu piro pelo Caravaggio rsrsr, eu adorei a musica da pagina. abçs

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade