Literatura: Torquato Neto

“e deu-se que um dia eu o matei, por merecimento.
sou um homem desesperado andando à margem do rio parnaíba.” Torquato Neto

Soy loco por ti América

Muita gente não entende ainda que a canção “Cajuína” é uma homenagem do poeta Caetano Veloso a outro poeta, Torquato Neto, natural de Teresina, no Piauí, morto aos 28 anos, na capital Rio de Janeiro, um dia após aniversariar, por suicídio.

Poeta porque Caetano Veloso, em especial nessa música, exprime uma veia lírica e doída, dessas que sangram indolentemente.

Indomável era o espírito de Torquato, autor de versos como “qualquer palavra é um gesto/e em sua orla/os pássaros de sempre cantam/nos hospícios”; “eu sou como eu sou/vidente/e vivo tranquilamente/todas as horas do fim”; “há urubus no telhado e a carne seca/é servida: um escorpião/encravado/na sua própria ferida/não escapa/só escapo pela porta da saída”.

Era o poeta marginal, o poeta concreto, o poeta novo, cinematográfico. Atuou em filme (“Nosferatu no Brasil”), de assistente (em “Barravento”), como jornalista.

Torquato foi peça importante no movimento que desestruturou pilares na arte e na política, a Tropicália, e não se esquivava de criticar em carta a Hélio Oiticica, o principal nome das artes plásticas naquele cenário, o também poeta Capinam, por considerá-lo “mesquinho”.

Como letrista afiado, legou às gerações seguintes canções repetidas frequentemente com Caetano, Gil, Edu Lobo, João Bosco, Jards Macalé, Luiz Melodia, entre outros.

Caio Fernando Abreu, escritor consagrado na geração seguinte à de Torquato recebia com graça as boas energias advindas, quando citava: “Mas vamos ver o sol, antes que o dia arrebente”, verso da música ‘Soy Loco por ti, América’, com Gilberto Gil e o desafeto, Capinam. Torquato não era fácil. Mas ágil, e ácido.

Torquato Neto autor de músicas com Gilberto Gil

Raphael Vidigal

Publicado no jornal “Hoje em Dia” em 11/11/2012.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

8 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade