Paulinho da Viola (Cantores brasileiros)

“Este pobre navegante, meu coração amante
Enfrentou a tempestade
No mar da paixão e da loucura
Fruto da minha aventura
Em busca da felicidade” Paulinho da Viola

Foi um rio que passou em minha vida

Batatinha, sambista baiano autor de escassos sucessos, sem com isso perderem relevância, condecorava com honra e merecimento Paulo César Batista Faria o Ministro do Samba, na música “Ministério do Samba”.

Não por acaso diagnosticava-o vindo de linhagem nobre, filho de César Faria, lendário violonista do conjunto de choro Época de Ouro, idealizado por Jacob do Bandolim.

Mas o tempo inoculável no qual navega, o mar, e que ele diz ser hoje, tratou de tornar o apelido dado por Sérgio Cabral maior do que qualquer outra referência ao sujeito.

ELEGANTE
Hoje aos 70 anos, Paulinho da Viola, finalmente com a alcunha de sambista, é celebrado pela memória afetiva de músicos e fãs espalhados em todo o Brasil. No próximo dia 17, fará show gratuito em Madureira, subúrbio do Rio de Janeiro, acompanhado pela Velha Guarda da Portela. Depois, no dia 28 apresenta-se em Nova York, no Carnegie Hall. Para fechar as comemorações, a EMI lança em 2013 box com 11 álbuns, incluindo extra de faixas dispersas.

O cantor do “Copo Lagoinha”, conjunto de samba da capital, Mauro Zockratto escolhe a música “Onde a dor não tem razão” como marcante dentro do vasto repertório do aniversariante. “Eu era adolescente quando o Paulinho lançou esse vinil. Meu irmão mais velho comprou e eu me deliciava com a canção título”.

Prova inequívoca é que Mauro, ainda aspirante à profissão de cantor, logo decorou os versos, e toda vez que a canta lembra com alegria daquele tempo. “Guardei na memória a capa do disco, uma espécie de porta-retratos com a foto do Paulinho sempre sorrindo e elegante”. A gratidão ao irmão devido à preciosa aquisição permanece.

AUTOBIOGRÁFICO
Moyseis Marques, sambista carioca fundador do grupo “Casuarina”, destaca outro êxito da carreira de Paulinho, sobre as desavenças com o pai a respeito do ofício a dedicar-se: “’14 anos’ é inesquecível! Gravei no primeiro CD”.

A companhia ilustre do mesmo que dividiu os vocais com Paulinho da Viola no álbum “Samba da Madrugada”, de 1968, onde a canção foi lançada, é motivo de orgulho par Moyseis: “O Elton Medeiros cantou comigo. É o tipo de música que gostaria de ter feito, pois fala do valor de um sambista”. Além disso, o intérprete destaca o cunho autobiográfico da composição.

PORTELA
Mesmo músicos vindos de outras praças, como o autor do famoso soul “Na rua, na chuva, na fazenda”, posto em alta rotação principalmente em virtude do registro do “Kid Abelha”, Hyldon embarca numa declaração de amor do homenageado à sua escola querida. “’Foi um rio que passou em minha vida’ tem uma imagem muito forte. É a Portela literalmente invadindo a avenida no carnaval”.

Para não se ater a um destaque da carreira do compositor, entre outros, de “Sinal Fechado”, Hyldon reitera: “Gosto de todo o trabalho do Paulinho, sua maneira elegante de ser é também uma marca das músicas”.

TRADIÇÃO 
A veia genética do compositor, filho de famoso ‘chorão’, é destacada por Eduardo Macedo, cavaquinista do “Quatro na Roda”. “O chorinho ‘Inesquecível’ é uma melodia apaixonada com uma harmonia surpreendente!”. E vai mais longe ao definir Paulinho como “o melhor compositor brasileiro”. O argumento são os gêneros percorridos como “samba de terreiro, avenida, samba-canção, maxixe e outros inrrotuláveis”, considera.

Música que ressalta o discurso do cantor em favor da preservação do samba, “Argumento” é, segundo Silvio Carlos, diretor musical e violonista de 7 cordas do conjunto mineiro ‘Flor de Abacate’: “O recado que um grande mestre do gênero deixa para as gerações futuras, inovem sempre, mas respeitem a tradição!”, afirma.

CHORINHO
O perfeccionismo de Paulinho da Viola é sublinhado por Ausier Vinícius, músico e instrumentista, proprietário do “Pedacinhos do Céu”, point do choro e da comida mineira, localizado no bairro Caiçara, que viveu um episódio inusitado com o artista: “Quando gravamos ‘Choro Negro’ ele me corrigiu uma nota, por ser um choro para cavaquinho muito bem elaborado”.

A respeito do nome da canção, Ausier esclarece com história aprendida pela vivência com o parceiro de Paulinho: “O Fernando Costa, que é o outro autor, me contou que estava com a Maria Bethânia na Alemanha em uma turnê, e por ser cego, perguntou a ela como estava o dia. A resposta foi ‘negro’. Daí veio a inspiração.”

Explicação correspondente a tantos sucessos teima em escapar à tentativa vã de uma filosofia, mas Ausier é direto e firme: “Paulinho tem coisas maravilhosas, que tocam fundo o coração”.

Paulinho da Viola 70 anos

Raphael Vidigal

Publicado no jornal “Hoje em Dia” em 12/11/2012.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

13 Comentários

  • vc é uma cara mto inteligente e de grande capacidade!! todos sabem!! bom q estão reconhecendo seu talento!

    Resposta
  • Seu trabalho é primoroso. Muito obrigada por realizá-lo e colocar alegria e esperança em nossas vidas.
    Grande abraço e sucesso sempre!

    Resposta
  • Beleza de homenagem, Raphael. Paulinho merece todas as flores, do mundo, em vida!!!!

    Resposta
  • Ei Raphael!
    Será uma linda matéria, a do Paulinho da Viola.
    Tive uma formação musical nada discográfica. Passei a infância ouvindo as pessoas cantarem ao meu redor. A família da minha mãe, principalmente. São 18 irmãos, que passavam infinitas noites cantando e eu, pequena, na barra da saia das minhas tias ouvindo maravilhada. Ali, conheci a música brasileira, o samba. FOI UM RIO QUE PASSOU EM MINHA VIDA, o mais cantado deles. Com tanta clareza, alegria, afinação e suingue que, certamente, foi uma das musicas que contaminou a minha alma e definiu meu destino de cantora.
    Te abraço, Titane.

    Resposta
  • Desculpe aí, pessoal, mas não poderia deixar de ressaltar o lado cantor e músico do Paulinho, que tanto no jeito de cantar como no de tocar o violão, que mistura a tradição com a modernidade, sendo influenciado pelos mestres já citados aqui, mas também, tendo “toques” da bossa nova, no violão, por exemplo. Agora, por paradoxal que pareça, o jeito de ele cantar, sem reproduzir João Gilberto, é muito inovador. Prá mim é !!!

    Resposta
  • Vidigal inspira e exala toda entranha, estranha profudeza e delicadeza, hoje o show é do Mestre Paulinho da Viola, viola meu bem vamos vadiar

    Resposta
  • Como sempre, Raphael, você arrasa nas escolhas e na matéria! Paulinho da Viola é um querido dessa grande família brasileira, unanimidade nacional!!! É luxo só!!! Beijo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com