Crítica: “Cheiro de Manga” saúda o corpo como a um estado de espírito

“A pele trans (luz). Si/dá. A carne é mansa. E den
tro o hirto centro: semen/te do existir e hi
fen do prazer. Não vi?/E é fruta. E ou é fruto
do inconsciente? Abrupto/estar, não-ser-aí?
Ou é silêncio ou gri/to? Ou é sumo ou suma
teológica? Uma/fruta? Fruto-em-si?” Heládio Brito

Laura de Castro protagoniza Cheiro de Manga

“Cheiro de Manga” nasce após uma experiência de Laura de Castro na África. Ou é possível conceber que o espetáculo é gerido durante a viagem, e que a sua permanência no corpo de Laura o trazem agora a outras plagas. Pois uma das capacidades do teatro é a de alargar tempo e espaço; outro fato pelo qual seria redutor restringir a atração à dança. “Cheiro de Manga” tem por princípio propor muito mais do que movimentos coreografados, embora a partir deles dispare suas noções de estupor e identidade – mas eles, aqui, são ponto de partida (disparador) e não chegada, não conclusão, longe de aspirar a algo retilíneo e determinado. Os elementos cênicos como o cenário, o figurino, a trilha sonora e as pontuais inflexões da luz corroboram na direção da mesma frequência de despojamento e encontro propostos pelo corpo de Laura. Ele respira, escuta, fala, cheira, toca, e expande suas sensações interiores para fora. Assim, a experiência ocorre na acepção da palavra, de assimilação no gesto, no ato, na sensibilidade da pele que através de caminhos encontra alma.

O que o espetáculo de Laura de Castro faz é desconstruir a linha divisória entre corpo e alma, espírito e carne, ao concentrar sua estrutura em narrativas simbólicas, estéticas, dramáticas, mas que advindas e, por isso, condensadas no real, sobretudo, em uma verdade. Por isso o espetáculo tem fases, passa por camadas, encontra-se em lugares sublimes, outros desconhecidos, e alguns sórdidos, já que, para além da África – de novo, ponto de partida – está ali, se embrenhando e sendo explorada, ao mesmo tempo em que explora, uma vida ávida por descobrir, sentir, experimentar, em última instância, uma vida que vive e pulsa. Natural da dança o ritmo também invade a história por meio de palavras, sempre bem colocadas, tanto em sua forma quanto no conteúdo, afinal a intérprete tem talento para, logo em sua emissão, circundar o exato tom com que deseja vesti-las. Para além de uma compreensão, afinal compreender sinaliza ao que se supõe dominado, “Cheiro de Manga” saúda o corpo como a um estado de espírito: que se percebe poético, vívido e latejante.

Ficha técnica
Criação e interpretação de Laura de Castro.
Consultoria artística: Rui Moreira.
Trilha Sonora Original: Eduardo Rezende.
Desenho de Som e Produção Musical: Almir Chiaratti.
Voz em off: Patrick Acogny/Criação de Luz: Pedro Struchiner/Operação de Luz: Marcio Alves/Produção: Jacqueline de Castro.

Em Cheiro de Manga Laura de Castro se inspira na África

Raphael Vidigal

Fotos: Igor Keller; e Daniel Vidal, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com