Caderno H2O – 10/06/2016

“Porque sim
Vale tudo na selva dos sentidos” Luhli & Lucina

Tempo1

Tempo
Escrevo hoje um português arcaico.
Sem arabesco.
Mas um mosaico.
Um português de ultimato, de fim de tarde.
Um português de Fernando.
E de Ricardo.
Um português que é de Campos. E de caiado.
Um português mal passado.
E fedorento.
Peço perdão aos monarcas.
Da língua pátria.
Sou hoje um refugiado.
Um sanfoneiro.

Brasil
Se o imposto
É um impostor,
Importemo-nos, então?
Ou
Exportação?

Compromisso
É bom chegar no horário
Para o almoço
Um compromisso importante
Um namoro

É bom chegar no horário
Para a noite de núpcias
Um compromisso inadiável
Uma consulta

Só não me chegue no horário
Quando eu estiver morto.

(deixa descansar um pouco)

A vida do homem
Essa vida livre não acolhe o homem
Cheio de suas regrinhas cacofonias
E no final uma grande desorganização geométrica
Quem inventou a aritmética arque com as consoantes
Nem só de vogais e sílabas vive o homem!
Nem só pó e si a VIVA poesia!

Ajoelhou
Não cobiçar a mulher alheia.
Mas como: se tem duas peras
Uma melancia, um rabo de sereia,
Um saco de farinha e a língua de água
Fria?

Como: se me alfazema
Se me acaricia,
E no final a inveja é um pecado e a reza
Uma eucaristia.

O inferno é mais tolerante
Quem cedo madruga,
Deus ajuda.
Quem tarde se deita,
O diabo aceita.
Inferno

Poemas de Raphael Vidigal.

Ilustrações, feitas especialmente para essa coluna, por Cristiano Bistene.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade