Artemisia Gentileschi e a Paixão do Corpo

“O gozo fecunda. A tristeza dá a luz.” William Blake

Artemisia-Gentileschi

O sangue, sobre a parte interna da coxa, descia em jorros. Por entre as pernas, de onde saíra, tremia o órgão sob os pelos e a pele lisa, pálida, virgem, os músculos, epiléticos e convulsivos, regurgitavam líquidas excreções. As mãos atadas, noutro momento, determinavam a arrancar uma nítida confissão. Novamente filamentos de coloração vermelha desciam pela parte interna dos braços, ansiando abrigo, todos os membros a suarem frio, em jorros. Artemisia Gentileschi conhecia as cores, as feridas e os gozos através do corpo.

Deitada na praia esticou-se inteira, a fim de compreender a real extensão de sua fatia no mundo. Não satisfeita, ao perceber a limitação imposta por vestimentas, retirou cuidadosamente, descendo por cima dos ombros, a parte superior do vestido, para em seguida, num safanão, jogá-lo inteirinho longe, pronto para ser lambido pela espuma branca do mar. Arriou a derradeira peça íntima, e, no momento, essencialmente coberta pelo sol, pôde-se refletir com mais intensidade. A areia tocou-lhe as costas como nunca antes.

Virou-se, remexeu-se, deixou-se penetrar pela areia, o vento, os sons, nas mais variáveis formas e posições conferidas ao corpo. Sujada com pedrinhas minúsculas, lama, conchas, terra e grama, e enterrada em tais criações da natureza, sentia-se mais ouriçada, permanente, limpa. Havia-lhe sido infiltrada uma parcela da existência não feita de tecidos, costuras, linha, agulha, mãos humanas trabalhando, porém pedaço de si espalhado no decorrer dos anos, e perdido em meio às evoluções.

De seus seios esguicharam substâncias de textura pastosa, e ela teve o conhecer do branco. Com o leite deu de mamar a uma criança recém-nascida em meio àquele tempo. Do cordão umbilical recém partido presenciou a primeira vez na vida a congestão de martírios, urros, guizos, concentrados numa porção de vermelho espesso e involuntário. Um homem chegou-lhe, abraçou-a as costas, num misto de violência, força e gesto do amor, recobrando-lhe a consciência feminina ao depositar, um a um, os dedos nela.

O negror a conduziu hipnótica, tomada, entregue à lassidão do corpo.

Artemisia-Pintura

Raphael Vidigal

Pinturas: “Vênus adormecida” e “Judith decapitando a Holofernes”, de Artemisia Gentileschi.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

2 Comentários

  • Essa gente de séculos atrás devia ter Deus muito mais próximo delas que jamais ousaríamos alcançar na atualidade. Artistas de qualquer ramo, com todas as precariedades, nasciam prontos e milagrosos. Raphael, depois vou assistir ao filme de Artemisia com atenção. Valeu muito!

    Resposta
  • “Através de descrições minuciosas dos quadros de Artemísia Gentileschi que sobreviveram à corrosão do tempo, Vreeland teoriza sobre a alma dessa mulher que tinha tudo para ter sido engolida pela vida, mas que decidiu beber até a última gota da taça de amarguras que lhe foi legada, usando uma metáfora bem renascentista, e extraiu de cada adversidade a matéria-prima de sua aclamada expressão artística. Ao longo da vida, Artemísia transformou suas dores em quadros de nus femininos – outra revolução para a época, porque os nus dela eram a máxima expressão da realidade -, metáfora para o desamparo e a superação diária das mulheres vivendo em um mundo cruelmente masculino em seu tempo e, de certa, em todos os tempos antes e depois dela.”

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com