A última carta de amor de Camille Claudel a Rodin

“Não era sem algum mal-estar que eu via essas cartas arderem. Elas avivavam um segundo o fogo e, tudo somado, eu tinha medo de ver tão claro.” Raymond Radiguet

Lettre_Rodin

Quando Camille Claudel escreveu sua última carta de amor a Rodin os efeitos da loucura descansavam. Aquele homem que lhe roubara a paz e pusera seus nervos em frangalhos não era mais capaz de tocá-la. Não era capaz pela distância que guardavam a perfídia solidão das grades do mundo livre e civilizado. Não era capaz por esse motivo concreto. Não era capaz pelo caráter macilento que o desejo adquire com o tempo, como se derramasse sobre ele um ácido que fosse lhe derretendo as rijas camadas da tensão inerentes ao desejo sexual, e que resta, ao final de tudo, como o tédio de dias mortos. Era esse caráter existencial que mais a desestabilizava. A subjetividade cravada em suas costas como uma lança documental. Quando Camille Claudel escreveu sua última carta de amor a Rodin os efeitos da loucura descansavam.

“Mil vezes escolherei você”. Era o que dizia. Era o que ele dizia. Não se esquecera. E jamais se esqueceria. Mesmo quando a loucura a tomava de pé e a tombava como uma girafa faz com o leão que tenta devorá-la num coice, essa frase se repetia impoluta em sua mente. “Mil vezes escolherei você”. Agora os efeitos da loucura descansavam. Mas era mais perturbador, justamente mais perturbador, perceber, com a consciência impoluta, o quanto aquelas palavras eram impossíveis de serem cumpridas. “Pelo caráter macilento que o desejo adquire com o tempo”, repetia para si mesma. Agora os efeitos da loucura descansavam. Lembrou-se de certa feita, quando um pingo de água caindo-lhe no nariz a inspirou a esculpir uma forma que parecesse onda, lhe parecesse água e sua qualidade interminável, essa ideia juvenil e inocente, cheia de frescor e intensidade.

“A independência é ainda um traço do egoísmo”, pensou, imediatamente repelindo o próprio pensamento, constrangida que estava em abraçar a causa dos ditadores, a causa daqueles que querem controlar a vida dos outros impingindo em suas mentes a culpa católica, os pecados capitais, o medo do inferno, a vergonha. Vivera o inferno na terra, não podia ter medo de nada, não podia ter medo dos céus nem dos mares. Era uma escultura de ondas, capaz de controlá-las na palma da mão. Rodin era uma força da natureza, absolutamente indomável e independente dos afagos, das carícias e dos desejos mais ardentes que Camille pudesse lhe oferecer. Servia-se de todos eles, mas sem tornar-se um viciado, sem que a abstinência roubasse de si a calma, os nervos, os ares. Ao contrário, Camille encontrava-se absolutamente entregue àquele homem, que lhe era necessário e não dispensável, assim se sentia em relação a Rodin.

Começou a divagar, então, lentamente, e como uma tênue linha do saber, livre, formava-se na frente de seus olhos todos os membros, todos os poros, todas as características físicas e subjetivas de Rodin. Colocou-as numa carta que imaginava endereçar ao ídolo, como num pedestal, sob o qual ela se ajoelhava e oferecia a boca, os poros, os membros, para que aquele homem despejasse como onda sobre ela toda a opulência da carne e a imensidão do amor. Um amor que imaginava ocasional, mas não por acaso. Se não tivesse conhecido Rodin teria despejado os seus desejos e aflições sobre outro homem, outra imagem na qual reconheceria a imagem do ídolo, do protetor, do macho. “Ocaso das casualidades ou o caso das casualidades”. Assim intitulou sua carta. E a endereçou. Quando Camille Claudel escreveu sua última carta de amor a Rodin os efeitos da loucura latejavam.

rodin-danaide

Raphael Vidigal

Imagens: reprodução de carta de Camille Claudel a Rodin; e escultura de Rodin para Claudel, “Danaide”, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com