Artes Plásticas: Oscar Niemeyer

“Os homens constroem também de acordo com as leis da beleza.” Karl Marx

Oscar Niemeyer

O homem qualquer caminha entre dois muros. Num deles, a poça d’água convida ao mergulho. Porém é ateu. No outro, o cimento une-se ao tijolo dando-lhe o aspecto de barro. Então crê em Deus, vê a costela de Adão a transmutar Eva. Enxerga. O milagre nas reluzentes vestes (desaba o concreto), engenhosas.

Mas os muros a que se ergueram põe na cabeça do homem uma dúvida. Por sobre eles diversos outros, engalfinhando-se, disputam, desarmônicos. Falta-lhes música, notas, acordes. Escuta a Sinfonia de Mozart. Talvez a Fuga de Bach. Urros do comunismo em Marx agarram-lhe a partir das entranhas e estouram os tímpanos.

Solitário em convicções arraigadas, o homem qualquer pretende ao unânime, magnânimo, totalitário das curvas. Instaura uma ditadura. Premente do desafogo, do remelexo, do espaço. Suspiram as algas, suntuosas e largas, aparecendo dos mares como se Zeus lançasse raios. E não há lógica capaz de detê-las. A Beleza é irreversível.

Pois suspendem-se no universo curvo de Einstein, nas pernas fartas das brasileiras e indígenas de colares. Algo nativo, peregrino, mundano, transcendente, notável. Igrejas perdem o formato  de antes, palácios reverberam modernidade, o chão abre-se, e um menino miserável, mirrado, faminto, pede uma pequena parte daquele clarão magnífico.

O homem qualquer, mesmo tossindo, cansado, doente, exausto, sopra uma fumaça. Em seguida, aconselha a anônimo próximo o cumprimento de antiga norma. Este traze-lhe um regador, despejando no ar fértil chuva. Ao que avança na direção da criança pedinte, uma irregular nuvem, ora curva, outrora lilás, combinando trajetos e cores, trejeitos e nomes.

O menino, de olhos apagados, não sente nada, dispensa a nuvem, dizendo: “Tenho fome”. O homem velho, qualquer, abonado, responde: “Eu também tenho. E me alimento, de gastos sonhos”. Não enchem barriga, ofende a prole, que vai aumentando, apenas cresce, engole o homem. Chama-se tempo. E o qualquer, é Niemeyer. Nem arquiteto, como disseram. Mesmo escultor, arrisca o gênio.

Somente um homem. Entre dois muros. Empena hastes, pilares, traços.

Croqui Palácio da Alvorada

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

8 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com