O fim da cidade

“É uma hora irreal o cair da tarde. Não estamos vivos nem mortos. É a hora em que nos despedimos, nos arrependemos, ou esquecemos até o espírito de vingança, a grande nostalgia toma conta de nós, devia ser belo, e não é.” Augustina Bessa-Luís

Pintura de Paul Gauguin

Invadem a cidade, esterilizam os pais, abrem as vaginas, expulsam o clitóris de lá. Exilada exala um ocre odor vagabundo. Famintos cachorros devoram ossos. Uma dinâmica inocula a cólica. Bebem catre. A cidade entope: gente, cimento, animal. É-lhe peculiar e cúmplice: o incesto, o estupro. Pedra de néon: a vermelha flor: uma bromélia: o domo: lilases: povo: roxo. Querem parir as barrigas de nove meses querem partir as clandestinas visões de sêmen: creches engolem crianças: asilos internam velhos. Platina o tédio.

Há mais dinheiro. Há mais comida. Há nos canteiros arrotos de fibra. Há um prisioneiro na jaula torcida. Meu desejo é o de te ver o quanto antes, mas o relógio não é exato quando se tem: saudade: o ponteiro anda lento coração bate celerado a expectativa aumenta na medida em que a espera cansa vai chegando ao fim te amo. Saudade: essa palavra larga só comprime e não exprime o tamanho: do que sinto: falta nome apenas: grito: meu pedacinho doce de jabuticaba: geleia de framboesa: amora. Sacrificar o filho pelo bem do pai. A cidade afunda em banzo.

Com os cabelos escovados, pretos, bem pretinhos mesmo, pinta de joaninha em cima do casco vermelho que é tua carinha vermelha e bem asseada: Aline. Desconjura o diabo que rouba e que late: mas em época de eleição, aguarde: ele a sorrir no fenício estandarte: munido de alto-falante. Vive a considerar fantasia: mudar da noite para o dia: o rosto onde vive: Aline. De repente uma maneira grande: uma mulher, encurvada e hesitante: pequena. Como que habita o coração, de terra batida, auréola encurvada, invisíveis asas de papelão: debatem-se.

Em frente às cascatas, tem olhos de distância. Vê como uma menina a luz do dia na cachoeira, embora o tempo lhe crave rugas e ranhos na testa, nos braços, na vida. Os olhos estão marejados, entendo. Aline é descrente. Uma cidade em centopeia – assim, espichada mesmo – comprida – feérica – cheia de perninhas a esgarçar – lamentos – tremeliques – beijos – palavras – soltas no ar – para que a aranha – grude – teia – não são os outros – todos? – não mais reconhece os rostos – não mais reconhece as caras – não mais reconhece as faces – é preciso atravessar o mar para pegá-la – borboleta rápida – grunhindo – rosnando – mordem.

Obra do pós-impressionista francês Gauguin

Raphael Vidigal

Pinturas: Obras de Paul Gauguin.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade