Naldo Na Veia – Amor de Chocolate

“Não adianta dar um ano novo para eles! Logo já vão quebrando!” Quino

Naldo.jpg

O mercado, frequentemente, alça e derruba teus eleitos. É preciso entender a lógica de reciclagem que impera nesse modelo. O segmento musical não foge ao controle da indústria, altamente lucrativa, do entretenimento. Ao sabor da novidade, torna-se preponderante mudar obstinadamente, elevando e pondo ao chão quaisquer tendências. Vender 25 mil cópias, levar “Disco de Ouro”, emplacar hits radiofônicos como “Exagerado”, “Chantilly”, “Na Veia”, e outros, parte deste processo.

O cantor Naldo parece e perecerá como a nova “sensação” do mercado. O adjetivo relembra nome de famoso chocolate, ao leite por fora, com recheio de morango. Tal como a comparação, o músico esbalda-se no topo das paradas, e a exemplo do citado, deverá enjoar rápido. O mercado aguenta pouco um sabor repetido. Embora haja referências, batidas, a Claudinho & Buchecha e eletrônica. O próprio Naldo aguentou e superou barra após perder o irmão, com quem fazia dupla. Há de se louvar o ato.

A fórmula do garoto é a de um funk “doce”, um hip hop de boné importado, cara de bonzinho, trejeitos enjeitados de uma “street dance” pouco agressiva, recatada, inofensiva. A malícia das letras, que extrapola a sugestão e vai “direto ao ponto”, tática recorrente na música coloquial e desprovida de sentidos oferecida a toda prova nos dias atuais, recusa igual posição no movimento dos corpos. Esses desfilam um sem número de braços musculosos, abdomens definidos, seios fartos e incrivelmente frígidos.

A apologia à juventude descontraída, exuberante, atraente é, ironicamente, concebida a partir do artefato da bebida alcoólica, pois está tácito para os providos “fãs ardorosos” que esta categoria de droga coloca-se uma carreira acima das ilícitas (ou do cigarro, combatido, ultimamente, com rigor). A ironia é que, provar-se-á, vez mais, daqui certo tempo, que a maioria dos que hoje cantam, a plenos pulmões, “Amor de Chocolate”, em sérios segundos estará rebolando a refrão diverso. E igualmente insólito.

Naldo-Amor-de-Chocolate.jpg

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

4 Comentários

  • E precisa? Basta achar um bom produtor, tomar umas boas bombas, fazer um estilo gostosão e saber se ligar às pessoas certas. Taí a fórmula!

    Resposta
  • Com participação da Carol Dutra ex-aluna do colégio. Estou torcendo por ela.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade