Teatro: Nelson Rodrigues

O gênio do escritor brasileiro que revolucionou a dramaturgia e o jornalismo

Teatro brasileiro

Nelson Rodrigues foi, a vida inteira,um misto entre o sagrado e o profano. Foi tarado e santo, gênio e louco, revolucionário e reacionário, e por fim ninguém melhor do que ele próprio para defini-lo: foi um anjo pornográfico.

Suas peças e crônicasnada mais são do que o retrato dele próprio e do que o cercava e moldurava.Como todo artista, sua obra está completamente contaminada dele mesmo, da flor da pele ao pó do osso (como diria Caetano Veloso).

A complexidade de Nelson Rodrigues, suas peças, seu jornalismo anti-idiota da objetividade está intimamente ligada ao seu temperamento controverso e polêmico, e daí vem toda a sua riqueza. Pois Nelson Rodrigues foi um autor que sempre desprezou o maniqueísmo católico e posteriormente comercial, embora ele mesmo carregasse no pescoço uma cruz e quisesse ser reconhecido pelos grandes veículos, intelectuais e público. Embora fosse adepto de uma boa roda de amigos jogando conversa fora e fumante crônico jamais colocou uma gota de álcool na boca, e a boemia não fazia seu estilo.

Teve diversas mulheres, vários casamentos, muitos filhos, e era devoto incurável do amor eterno. Escrevia sobre estupro, incesto, adultério,e se entregava de corpo e alma quando conhecia a nova mulher amada, que idolatrava com cartas,presentes e flores e sabia e dizia quetodas elas gostavam de apanhar.

Mas com uma personalidade como a sua não poderia ser diferente. Nelson Rodrigues era nada mais do que um passional ilustre, capaz das mais belas e ternas declarações de amore dos maiores insultos e desaforos, indo de um para o outro em questão de milisegundos.

E embora o tema de suas peças fosse uma constante, era totalmente imprevisível.Ninguém jamais sabia o que esperar de Nelson Rodrigues, a não ser algogrotesco e genial. Mais do que o exagero presente em tudo o que ele escrevia, o escracho, o deboche, a ironia, Nelson Rodrigues trabalhava, comia, e vivia movido por um motivo único e insaciável, a paixão.

A despeito dos adeptos da objetividade que se apoderavam agora do cenário jornalístico brasileiroNelson carinhosamente os classificava de idiotas e seguia assistindo a espetaculares vitórias de seu Fluminense por 0x2 contra o Botafogo, a crimes já solucionados e cercados por mistério e suspense, a fatos corriqueiros da vida humana que eram comparáveis a uma ópera na qual continuava a se gritar “Bravo” horas, dias, meses depois de seu encerramento.

Pois a vida humana nunca foi tão interessante quanto a criatividade de Nelson e jamais alcançaria um grau tão supremo de beleza e genialidade quanto a que a sua imaginação produzia.

Fraco, adúltero, incestuoso, monstruoso, criminoso, o lixo humano que se estabelecia na realidade e nas peças de Nelson era tão pequeno quanto o sentimento de querer tratar os fatos da vida humana de forma objetiva, sendo escritos por uma outra vida humana, presa e parte presente do universo a ser descrito.

Nelson Rodrigues desprezou eternamente essa tentativa de se abster da parcialidade, mesmo porque não conseguiria, nem ele, nem qualquer idiota com esse pensamento.

Porque acima de tudo, repito, a obra do autor estará sempre contaminada por ele, e segundo porque Nelson era um apaixonado constante, que tinha a sua ótica de ficcionista para tudo, e em todo canto enxergava um buraco de fechadura para espiar, mas era acima de tudo um amoroso, e como “O amoroso é sincero até quando mente”, está perdoado por todas as invencionices que espalhou por suas crônicas e textos, no fundo ele estava apenas nos mostrando o “óbvio ululante.”

Toda Nudez Será Castigada

Raphael Vidigal

Produzido para a matéria de Apuração e Redação, ministrada no curso de Comunicação da PUC Minas por Fernando Lacerda.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

14 Comentários

  • ?” É preciso ter sorte até mesmo para se chupar um Chicabon” Nelson Rodrigues

    Resposta
  • “Ou a mulher é fria ou morde. Sem dentada não há amor possível.” Nelson Rodrigues era o cara

    Resposta
  • Adoro Nelson rodrigues…
    O marido no deve ser o ultimo a saber. O marido nao deve saber nunca…polemico e sarcastico como só ele sabia ser.

    Resposta
  • Sensacional e único! Nelson Rodrigues…”A Vida como ela é…” Vale a pena ler sua biografia: ” O Anjo Pornográfico”. Parabéns, Raphael! Seu site está cada dia melhor. Beijos…

    Resposta
  • “Todo amor é eterno. Se não é eterno, não era amor.”
    Nelson Rodrigues era um eterno apaixonado. Escrevia sobre tudo e um devoto incurável do amor eterno. Provocador, doido e apaixonado. Simplesmente maravilhoso, principalmente porque conseguiu ser sempre ele mesmo.

    Resposta
  • Obrigado pela participação, Ana Cláudia! Endosso suas palavras. Abraços

    Resposta
  • Visão irônica do mundo … particulatmente “sarcástica” … mas REAL. Eu morava no Rio de Janeiro e ía bastante ao Leme, visitar uma antiga amiga. Não raro, nos cruzávamos. Ele sempre “sisudo” com os seus indefectíveis suspensórios puxando as calças para coma da cintura… “UM CRONISTA E TANTO” dos usos e costumes da vida carioca! De uma época, de uma CONTESTAÇÃO firme e procedente.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade