Ritchie (Pop)

Cantor

A Inglaterra arrecadou para si a primazia do invento do futebol. Ao que o Brasil abocanhou a tradição e a ginga que apenas a cria, e não o inventor, é capaz de esbaldar.

No Reino Unido, nasceu o garoto loiro de olhos azuis, fã dos Beatles e Rolling Stones, Richard David. Mas o Brasil, há o assanhado e íntimo Brasil foi logo lhe pegando pela cintura, chamando de Ritchie e concedendo abrigo e abraço para seu talento.

“Menina Veneno,
O mundo é pequeno demais
Pra nós dois
Em toda cama que eu durmo
Só dá você, só dá você…”

Depois de trombar com Mutantes’ em Londres, arrefecer os trilhos em São Paulo e desembarcar de vez no Rio de Janeiro, o operário flautista descobre-se um príncipe cantor. Nessa entre-safra ensinou a língua mátria à Gal Costa, Egberto Gismonti e Paulo Moura, só para dizer alguns.

Mas a sua escola começa mesmo quando ele ocupa uma das cadeiras principais do grupo psicodélico ‘Vímana’, composto pelos insipientes Lulu Santos, Fernando Gama, Luiz Simas e Lobão (o último a entrar na banda).

Logo as portas do universo pop, (e da percepção), abriram caminhos para vários nomes da nova cena nacional. Num Brasil irreverente como o país, a grande moeda da moda era um inglês. Nada mais contraditório e pontual.

“Perdi a hora 
Mas encontrei você aqui
Desde aquela noite
Eu nunca mais me entendi
Você levou meu coração
Levou o meu olhar”

Hit tornou-se palavra fácil no dicionário tupiniquim, e logo se associou à imagem de Ritchie, especialmente em razão dos êxitos presentes em “Vôo de Coração”, o primeiro LP, que ultrapassou a marca de um milhão de cópias vendidase marcou a década de 80 como fundo musical inconteste.

“Pelo Interfone”, “A Vida Tem Dessas Coisas”, “Menina Veneno” e até o abajur cor de carne viraram gírias resolutas para definir comportamentos e estados de espírito. E a criação engoliu o inventor. Ritchie tornou-se escravo do grande sucesso, nunca mais repetindo igual popularidade.

“Memórias no velho computador
Nas asas do tempo,

Vertigem do momento
Vôo de coração, meu amor”

Menina Veneno

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com