Show: Roberta Sá

Cantora apresenta repertório eclético e misturado

Segunda Pele

Elétrica, a boneca adentra a caixa recortada com papel crepôn e luzes de vaga-lumes. Se ilumina o rosto de louça, branca inocência pintada. Presente de menina larga na mão da infância as lembranças, recolhidas, caladas, catadas com pega-borboleta.

Uma música uma musa dividida divina em poses, ledos enganos brilhando as pérolas do vestido sensual. Na pele que despista a veste despe a nudez escondida (quase sempre). Pernas põem o lado de dentro de lado o fora de lodo no calo. Sobe um salto peremptório.

Assovia aos passarinhos, grilos e louva-deuses verdes vermelhos amarelos azuis na base do amplo, ampliando o mínimo movimento de quadris, rebuliço rebolado de donzela no bravio cavalo branco de crina e grinalda, véu e espinho da rosa.

Sopros da tempestade avizinham a visita inesperada. Ela vem meiga, mas plana, vem alta, mas cana, cama babados bordados anis do beijo involuntário e irreprimível só a vontade é capaz de alva esmaecer. Roberta Sá, um nome um bilhete um sibilo antigo suave. No guardador de pó, no criado-mudo, na mesa, no castelo de princesa.

Odes a Chico Buarque, frevos a Caetano Veloso, sambas a Pedro Luís e a Parede, a parede, a parede, a rede de Roque Ferreira, da Bahia ao mundo, do encontro à solidão, da despedida à encruzilhada de encontros banais, casuais, acaso e sorte na mesma medida de renda e presilha? Lula Queiroga, ab soluço. Mariana Aydar inda tonta diz sem ter feito.

Detalhes imanentes inter-cruzam a passarela, ala modelo de estandarte entre bandeiras que são dedos a tocar de leve o leve momento de o breve voar da asa da borboleta, agora boneca, na caixa, princesa, metamorfose mulher libidinosa e projétil de arma na água. A vida é enigma: descubram ou não.

Gritem sim, para que ela ouça. Gritem sim, é de louça e a tua essência é rígida, construída em oficinas cheias de pregos, madeiras, cola, cílios de mentira, verdade a vida é uma brincadeira de bonecas. Doce gosto de sonho tem a asa da borboleta: mulher sensual: armadilha bandeja.

Música Roberta Sá

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

6 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade