Cinema: A Retomada

Movimento que retomou o cinema nacional teve Fernanda Montenegro

A Retomada Cinema Nacional

Da mesma forma que Carlota Joaquina não queria aportar no Brazil, ninguém queria ter o cinema brasileiro nos braços no final do governo Collor, em 1992, maltrapilho e mal tratado. Mas assim como a princesa casou-se obrigada com Dom João VI e tornou-se “Princesa do Brazil”, o cinema brasileiro deu mostras de poder deslanchar apesar das inúmeras barreiras que lhe dificultavam a vida. Com a queda do “Presidente Mauricinho” (na música de Lobão) por via dos caras pintadas que invadiam a avenida, Itamar Franco assumiu a presidência do país e deu o aval para que projetos que incentivassem a produção de conteúdo e imagem na telona voltassem com todo vigor. Ou nem tanto, o início foi claudicante, e há quem afirme que ainda seja. Mas é inegável a qualidade técnica que o cinema brasileiro alcançou a partir da criação da Globo Filmes, com todo o padrão de qualidade da monopolista emissora televisiva.

Estava criado um novo jeito de fazer cinema, seguindo a linha de atores globais e tendências novelescas. Carlota Joaquina com Carla Camurati abriu caminho, “Central do Brasil” seguiu a trilha e produções do status de “Tropa de Elite” e “Se eu fosse você”, com direito à continuação nos moldes de sucessos americanizados, deram definitiva sustentação ao modelo. Estava dada a retomada do cinema brasileiro.

O Filme: Carlota Joaquina, Princesa do Brazil

A abundante nobreza de Marco Nanini e seus pitorescos hábitos alimentares desenham um Dom João VI típico do escracho cinematográfico que propõe o filme. Cartola Joaquina de Marieta Severo aparece igualmente exagerada, escandalosa e antipática. O tom de comédia transversal está dado. Na trajetória da “Família Real” até o Brazil dos pesadelos de sua nova princesa saltam aos olhos as imagens tecnicamente perfeitas, o colorido estrategicamente planejado e a excelência das ambientações produzidas. Afora isso, o elenco é de primeiríssima qualidade, e oferece para admiração as interpretações de generosos comediantes do quilate dos já citados e ainda Ney Latorraca, Ludmila Dayer, Maria Fernanda e o extraordinário Antônio Abujamra. O filme é conduzido em tema de sátira e diabólicas exaltações promíscuas às aventuras da “Família Real” portugobrazileira.

O Ícone: Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro já era uma excepcional atriz de cinema quando interpretou “A falecida” da obra de Nelson Rodrigues. Não à toa, estreou como protagonista. E assim se mistificou na dramaturgia brasileira com todo o direito, muito mais do que pompa e circunstância, Fernanda Montenegro sempre expressou talento. Percorreu uma trajetória de muitos aplausos e sucessos e se consolidou como a grande atriz de seu tempo, agraciando o espectador, entre muitos outros, com o filme que se tornou um dos símbolos da retomada do cinema brasileiro: Central do Brasil, a bela história do menino que escreve cartas para o pai desaparecido. E é Fernanda quem desempenha papel de fundamental importância e sabedoria na trama. Suas aparições na tela ou no palco não podem ser classificadas segundo os adjetivos usuais entre os críticos: contida ou expansiva, simples ou exagerada, delicada ou agressiva. Fernanda Montenegro é de compreensão.

Raphael Vidigal

Produzido para o blog Brasil na Cena, matéria de Cinema ministrada na PUC Minas por Robertson Mayrink.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com