Para onde vamos?

“O futuro, ai de mim, me é mais próximo que o instante já.” Clarice Lispector

nassara

Da onde viemos? Por quê estamos? Para onde vamos? Essas perguntas filosóficas sempre angustiaram o homem. E é essa última em especial que vem sendo feita com maior freqüência nos últimos dias.

Após um relativamente curto período de crise que atingiu o Brasil, a dúvida é saber o que vem a seguir. A descoberta do pré-sal e o direito de sediar a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 terão papel decisivo na resposta dessa pergunta.

De acordo com o economista Rafael Dello, professor da UNATEC, a filosofia econômica que associa investimento a crescimento não tem dúvidas de que o primeiro ocorrerá em virtude da realização dos dois maiores eventos esportivos do mundo no país. No entanto já não é tão certo que o segundo ocorra, pois não se sabe qual será a real natureza desses investimentos, e se eles de fato trarão melhorias para a população brasileira. Outra preocupação que se tem é com relação à histórica corrupção que assola a política nacional.

A mesma dúvida ocorre em relação ao pré-sal. Em virtude das questões ambientais que vêm ganhando cada vez mais importância no cenário mundial, Rafael atenta para o fato de que “é preciso usar cada vez menos petróleo”, e completa “se o dinheiro do pré-sal for usado para pesquisas no campo das energias renováveis, educação, infra-estrutura e transferência de tecnologia aí teremos um quadro favorável, caso contrário, se for usado apenas para criar estádios ultra-modernos aí a situação se inverte.”

Outro perigo é o país se deslumbrar com a possibilidade de se transformar em um grande importador de petróleo e nada mais, seguindo uma tradição decorrente da vocação natural do país, conseqüente de suas riquezas naturais mas também de um velho complexo de vira-lata descrito pelo jornalista e dramaturgo Nelson Rodrigues. O que traria obviamente o risco da inflação. Para que isso não ocorra é necessário encarar a situação com realismo e sem fantasias árabes. Por mais que pareça, não estamos no Caminho das Índias.

Outra questão posta é a do crescimento sustentável, sobre isso Rafael Dello é taxativo: “programas como o Bolsa-Família nos trouxeram um crescimento de consumo, mas não sustentável, a Amazônia continua sendo devastada.” E daí coloca-se outra questão filosófica, que será determinante para todo o processo, “o que é melhor? Riqueza ou qualidade de vida?” questiona o economista. Noel Rosa, em sua canção chamada Filosofia cantou: “Nesta prontidão sem fim, vou fingindo que sou rico pra ninguém zombar de mim”, e em outro verso, mais tarde, completa: “Que tem dinheiro, mas não compra alegria.”

Para onde vamos? Tudo dependerá da filosofia.

Nassara- Carnaval

Raphael Vidigal

Produzido para a matéria de Jornalismo Econômico na PUC Minas em 2009.

Caricaturas de Nássara.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade