O viço

“Quando pensou que aquela grade era a grade da velhice, sentiu por ela uma piedade imensa, e essa piedade tornou-a mais próxima (essa mulher outrora deslumbrante, que o fazia perder a fala) e teve vontade de conversar com ela como um amigo conversa com uma amiga, longamente, na atmosfera azulada da resignação melancólica.” Milan Kundera

Oswaldo_Goeldi

Dissera que perdera o viço. Diziam isto. Que sua pele de pera agora transformara-se em maracujá. E que suas cicatrizes jaziam bem mais expostas e visíveis. Disseram-lhe. Dizia. Ao caminhar lentamente, pela praia ou ao redor dos sonhos, segurando o próprio travesseiro como que para aprisionar os sonhos, suas pernas sentiam o pendor dos anos. O pendor de horas, de meses, de dias, passados sob a maresia da praia, sob os mares, sob os sonhos. Estava imersa. Dissera. Diziam.

Não povoava o imaginário de seus familiares, de antigos amores, nem se noticiava que haveriam futuros. Um sentimento ínvio lhe amotinava, passava por seus calcanhares até chegar ao umbigo. Neste umbigo talvez a única prova de que estava viva. Dissera. Diziam. Um cadáver pode caminhar pela orla da praia, pelas bordas das cidades, e se agarrar ao tênue fio dos sonhos, um cadáver pode, pois ainda possui ossos e seus pelos e unhas ainda crescem por um tempo longo. Um cadáver fresco, um cadáver novo. No preâmbulo de sua existência notara uma cor de maçã, e um cheiro de nozes, que agora jaziam podres e se misturavam aos cheiros fortes da morte, à ausência de uma cor definida, à iluminação do preto que mescla sobre todas as cores e sobre todas as mortes um sentimento que aniquila as colorações. Uma ausência de luz. O cinza a perpassar, a cinza, e tornar comuns todas as formas, transformando-as num bloco de concreto, cinza, uma massa unilateral, sem requinte, requentada como acontecimento banal e repetido, para quem o choro é sempre um alento, um novo viço, como o som de palmas para os artistas. Não percebia que aquela conformação fora por ti perseguida instintivamente, como se o sopro da imanência estivesse ligado aos deslizes da alma e às chagas da carne. Não percebia que aquela conformação fora por ti perseguida primitivamente, e que sobre o caráter rijo das horas ainda era capaz de enxergar um lagarto na folha verde que rasteja no chão. Ainda era capaz de sustos. Ainda era capaz de sentir sustos. E se deparar com um lagarto que nada mais era do que uma folha verde que, ali, naquele momento, naquela imagem, naquela conformação, rastejava no chão. Rastejava e procurava os joelhos de quem beijar. Os joelhos da morte. Os joelhos da conformação. O espanto primeiro já não era mais o mesmo. Subvertera-o. Modificara-se. Como da primeira vez que vestira saias. Da primeira vez que se enfeitara com batom e sutiã. Da primeira vez que investira em brincos para aquelas orelhas singulares. Da primeira vez que beijara um homem. Da primeira vez que beijara o sexo de um homem. Da primeira vez que guardara em sua boca, como o faz o pelicano com a comida ou o canguru com a cria, todo o espanto, toda a força, todo o desespero que era o produto da ejaculação daquele homem. Aquele homem comum. Que perdera o viço e já não tinha as formas e as cores tão bem definidas como antes. Que era agora toda uma massa cinza e volúvel. Talvez uma memória, uma lembrança, uma sensação, um gosto na boca, no peito e nos ossos. Imóveis os aços, os metais e erros crassos que cometera no preâmbulo de sua existência, e ainda ressoavam em sua movimentação, iam, como por milagre, se esfumaçando, se pulverizando nos rostos de mais de um homem que eram na verdade um só. Que era apenas ossos e pelos e unhas e nada mais. Nada mais que um cadáver, um monstro da criação. Levara uma vida desmedida. Levara uma vida bordada nas recusas e nas rejeições. Levara, e agora seria levado pela infalível morte. Tão compatível e formidável quanto o sexo de um homem. O gosto de um homem em sua boca. Dissera que perdera o viço. Diziam. Que era cadáver.

goeldi

Raphael Vidigal

Imagens: Xilogravuras do artista plástico Oswaldo Goeldi.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade