O punhal das formigas

“Deixai entrar a Morte, a iluminada
A quem vem para mim, pra me levar
Abri todas as portas par em par
Como asas a bater em revoada” Antero de Quental

jcarlos1929

O homem é o único animal capaz de tirar a própria vida. Capaz, portanto, de vencer o instinto de sobrevivência, ou de sair perdendo. Ao enfiar o pé no acelerador do carro contra o poste a faca encerra-se ainda mais na barriga cheia de remédios, e o nó já está pronto. Duas filhas. Por que trazê-las para este mundo? A vida e sua espera resignada dos fatos não suficientemente afasta a consciência da morte.

Ao entrar no veículo tinha dinheiro suficiente para se mudar de cidade. Abandonar a terra natal que lhe dera aspereza e sal e ir em busca destes colírios no mar. No interior de uma praia onde a areia desenha seu rosto com conchas ocas, lambaris que se escodem, pedrinhas e a bege cor do desânimo. Numa destas praias em que o herói de Albert Camus cometeu o assassinato por conta do sol e esperou paciente por uma sentença de morte. Quando a explosão ocorre a vida ainda pulsa em suas veias.

A consciência da morte. Da putrefação. Do destino intransferível de toda e qualquer carne animal. E mais ainda. De toda e qualquer carne que é viva. E mesmo dos que não tem carne. O tempo passando sobre nossos ordinários sonhos, as pretensões de imortalidade, não esquecimento. O tempo penetrando em cada pedaço de carne e dando a sentença lenta, a marca de cada detalhe, como numa confecção de vinho, de seda, o acrílico e o cisco que se grudam no fundo, uma pequena imagem do que foi bebível e utilizado para exposição. A cobra, ou o tigre, ou a planta carnívora terão na carne o mesmo destino, mas a consciência da morte é mais que um instinto. É uma sentença como a escravidão diante de um Deus desconhecido.

Com a extremidade da faca toda enfiada em seu abdômen, restando somente a madeira de base do lado externo, a cor de seus olhos, como a cor de seus cabelos, a cor de seu sorriso, de seu êxtase maníaco é todo um vermelho que brilha, um vermelho exuberante, vivo, o festejo da morte, paradisíaco como a praia que desenhou na areia seu bege rosto, seu bege sonho, sua existência lateja, e ainda vive.

Ensandecidos os fanáticos proclamarão a prevalência do espírito. A alma do único animal capaz de tirar a própria vida. Capaz, portanto, de vencer o instinto de sobrevivência, ou de perdê-lo. A consciência de que tudo que a terra come é inútil, pois está reservada para este ser uma vida livre de enfrentamentos, livre de conflitos, uma vida sem a sombra da morte, sem o seu capuz violento, uma vida através da morte, uma vida plena.

Na plataforma de onde jorram rios de dinheiro ingere uma dose absurda de barbitúricos. Quer encontrar-se com a vida. Pois esta existência é mortífera.

Porquê a lógica não lhe deu as respostas procurou-as no misticismo. Adquiriu um faisão como companhia, para afastar a solidão. Deixou no mundo duas filhas. Um matrimônio desfeito, que deu venenos e frutos. Um baú do tesouro encantado com sacolas e sonhos e rios de dinheiro. A imagem riscada na praia e a foto em digital.

O nó já está pronto. Enfeita-o ao redor do pescoço como um colar. Eleva-se na cadeira qual monarca. Ri para os que ficam.

Aqueles que buscarem motivos para morrer encontrarão as mesmas raízes na vida.

Como o punhal das formigas.

Há razão para viver?

jcarlos-paratodos

Raphael Vidigal

Ilustrações de J. Carlos.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade