Entrevista: Mônica Salmaso + Juarez Moreira + Pedro de Moraes

“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.” Vinicius de Moraes

Alma Lírica Brasileira

Vinicius de Moraes chamava a todos por diminutivos, como prova de seu imenso carinho. O “poetinha”, como ficou conhecido entre os mais íntimos, e depois o Brasil inteiro, por conta dessa carinhosa mania, terá o centenário celebrado em 2013, mas as comemorações já começaram. Na capital, uma exposição na Galeria Murilo Castro, idealizada pelo filho do compositor, poeta e diplomata, Pedro de Moraes, fica em cartaz até o dia 21 de dezembro.

FOTOS
Intitulada “Os amigos do meu pai”,  a exposição abre ao público um pouco da intimidade de Vinicius, através das lentes do filho, ao mostrá-lo ao lado de grandes e célebres ‘compadres’, como Chico Buarque, Caetano Veloso, Pixinguinha, Baden Powell, Nara Leão, Maria Bethânia, Ismael Silva, Cartola, e outros.

A inspiração surgiu primeiro em razão da profissão de Pedro, que é fotógrafo, e depois em virtude do espírito gregário do poeta, famoso por manter a casa aberta e receber inúmeros convidados em confraternizações responsáveis por determinar os rumos da bossa nova, os afro-sambas, e no início da década de 50, o samba-canção.

CASA ABERTA
Numa noite como todas as outras, em que a fechadura encontrava-se destrancada, Vinicius se deparou com um inusitado “visitante”. “Meu pai entrou em casa e tinha um ladrão, muito nervoso”. Pedro conta que Vinicius tratou de acalmar a visita inconveniente, ofereceu-lhe uísque, e os dois ficaram bebendo até a madrugada, quando o autor de “Soneto de Fidelidade” pagou um táxi para o ladrão ir embora.

Casos como esse, lendários ou não, são recorrentes na biografia de Vinicius, cunhador de frases como “ladrão também tem família” e “o uísque é o melhor amigo do homem, é o cachorro engarrafado”. Sobre esta, Pedro confessa que gerava certos problemas familiares. “Nunca gostei de uísque, prefiro cachaça. Meu pai me xingava por isso, dizia que me dava mesada pra comprar bebida boa!”, esbalda-se em sonoras risadas.

Mônica Salmaso e Juarez Moreira cantam Vinicius
Mônica Salmaso e Juarez Moreira apresentam no palco do Sesc Palladium, na próxima segunda-feira, dia 26, dentro do projeto Compositores.BR, um olhar acerca da vasta obra musical deixada por Vinicius de Moraes.

O violonista Juarez Moreira, que conheceu pessoalmente Vinicius, através de Milton Nascimento, conta que ele era “boa praça, e muito coerente em relação à música que fazia, dificilmente percebe-se essa sintonia tão forte entre pessoa e obra”, afirma.

O músico, que apresentará uma leitura instrumental do repertório do poeta, ressalta o lado “melodista, pouco conhecido” do poetinha. “Ele é, ao lado de Tom Jobim, a melhor referência musical que conheço. Quanto mais velho, mais me encanto com Vinicius”, atesta.

IDENTIFICAÇÃO
Atualmente divulgando o mais recente álbum, “Alma Lírica”, Mônica Salmaso considera que o fato de ter gravado, ao longo de toda a carreira, muitas composições de Vinicius, tornou-se um dificultador. “A produção nos solicitou um repertório exclusivo, então tive que deixar de lado, um pouco, as parcerias do Vinicius com o Baden Powell e Tom, para ir atrás do que ele compôs com Ary Barroso, Ernesto Nazareth, Edu Lobo, Carlos Lyra e Francis Hime”, confirma.

A identificação de Mônica com a obra de Vinicius de Moraes é nítida não apenas pela forma ‘cool’ de cantar, como denota Juarez Moreira, que dividirá o palco com a intérprete em cinco números, mas em vista do extenso número de composições gravadas. A cantora, vale lembrar, participou do documentário “Vinicius”, em 2005.

POEMA
Mas não foi sempre assim, Mônica relembra: “Quando era criança, meus pais punham um disco dele para tocar, onde ele declamava um poema que tinha o verso ‘há um vampiro pelas ruas, porque hoje é sábado’. Eu morria de medo e saía correndo!”, relata entre risadas.

O referido poema era ‘Dia da Criação’. Anos mais tarde, Mônica começou a mudar de opinião, quando Vinicius lançou uma peça mais adequada ao universo infantil, ‘A Arca de Noé’. “Desde então minha paixão por Vinicius só aumentou, não o larguei mais”.

Violonista apresenta Vinicius de Moraes

Raphael Vidigal

Publicado no jornal “Hoje em Dia” em 24/11/2012.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

14 Comentários

  • Mônica Salmaso e Juarez Moreira cantam Vinícius | Curta música e entrevista

    Resposta
  • Meus agradecimentos a todos que comentaram! Salve Vinicius de Moraes! Abraços

    Resposta
  • Que maravilha! A Mônica é uma das maiores cantoras da atualidade, e Juarez, nem se fala! Grande músico! Parabéns pela escolha, Raphael!

    Resposta
  • Nossa….fiquei super fã da Mônica Salmaso (que fui conhecer através de um CD que Lígia Jacques me mostrou)…desde então estou cada dia mais encantada com sua voz e seu jeito de cantar!!! Maravilhosa!! Parabéns, bela entrevista Raphael Vidigal!!!

    Resposta
  • Ei Raphael Vidigal; viva você, viva Mônica Salmaso, Juarez Moreira, Pedro de Morais e todos que curtem, cultivam e divulgam Vinícius de Moraes, cuja importância vai além da preciosa obra literária e musical que ele nos legou. Vinícius propiciou, como anfitrião, um ambiente de convívio dos artistas que acabaram criando a própria Bossa Nova e as músicas que colocaram o movimento nos ouvidos do mundo. Rio de Janeiro, virada dos 50s pros 60s, Vinícius reunia a turma – Tom Jobim, João Gilberto etc -, pedia o chopp e pagava a conta. Vinícius de Moraes, imprescindível, fundamental, imortal. Parabéns pra todos.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade