Entrevista: Bibi Ferreira

“O fato de sermos habitados por uma nostalgia incompreensível seria mesmo assim o sinal de que existe um além.” Eugène Ionesco

Bibi Ferreira

Bibi Ferreira acaba de lançar novo CD, ‘Natal em Família’, pela Biscoito Fino. Concomitantemente, a partir do dia 8 de janeiro, retoma os palcos do Rio de Janeiro, no Municipal Carlos Gomes, com o espetáculo ‘Histórias & Canções’. Nada mal para uma iniciante. Com a exceção de que a entrevistada, aos 90 anos, totaliza igual quantia de carreira. Acredite, com 24 dias de vida, ela estreava no teatro.

Na ocasião, Bibi substituiu uma boneca desaparecida instantes antes da apresentação de ‘Manhãs de Sol’, de Oduvaldo Vianna. De lá para cá, interpretou Edith Piaf, deu voz e corpo à palpitante ‘Gota d’água’, peça de Chico Buarque e Paulo Pontes, além de uma intensa dedicação ao teatro, tanto na direção quanto protagonizando. O passar do tempo lhe legou muitas lembranças e uma certeza única: “Sou uma batalhadora, uma atriz, uma mulher feliz”, diz.

PARTICIPAÇÕES
O novo projeto, retorno de Bibi ao disco, após ‘Tango’, com Miguel Proença, em 2006 e ‘Uma Suíte Amorosa’, com Francis Hime, de 2011, ocorre como parte das comemorações do aniversário da intérprete, sugestão do empresário Nilson Raman. “Achei a ideia muito simpática, e fiz com muito carinho. Transformar esse material em show, por enquanto, não”, afirma.

Recheado de participações especiais, ‘Natal em Família’ conta com gente da envergadura de Alcione, Roberta Miranda, Emílio Santiago, Coral das Princesas de Petrópolis e Marília Pêra recitando poema. Xuxa, Ronnie Von, Padre Fábio de Melo, Coral Dó Ré Mi, Maíra Freitas, Joyce Cândido, Alice Caymmi, Alexia Bomtempo e Ana Cristina completam o coro de convidados. “Todos que participam são amigos queridos, que admiro muito. Não só as vozes deram certo, mas a proposta dos arranjos feitos pelo Maestro Flávio Mendes, também”, conclui Bibi.

CELEBRAÇÃO
O repertório abarca as canções mais conhecidas das festividades natalinas, e como não poderia deixar de ser, lá estão ‘Sino de Belém’, ‘Noite Feliz’, ‘Ave Maria’, ‘Natal das Crianças’, entre outras. Sobre o sentido da data, Bibi postula-se, vez mais, qual criança curiosa e ávida: “Natal é a possibilidade de renovar os sentimentos entre as pessoas que amamos, é o constante renascer, a celebração da vida e do amor”.

Inspirações como as de Bing Crosby, Simone, Frank Sinatra e Joanna não faltaram ao amplo cartaz da entrevistada, mas o que mais a instigou foi “a magia do sonho e do onírico, o lúdico das canções natalinas”. Por isso, reitera a admiração aos citados artistas, considerando: “Fiz tudo do meu jeitinho”.

CENÁRIO TEATRAL
Bibi é uma das mais celebradas atrizes teatrais do Brasil. A última apresentação em uma peça de prosa foi em 2007, em ‘Às favas com os escrúpulos’, dirigida por Jô Soares, com texto de Juca de Oliveira. Em relação ao cenário atual do gênero no país, Bibi diagnostica certa estagnação. “Está como sempre foi, palpitante, inquietante, com coisas sensacionais acontecendo, e outras, nem tanto. Da mesma maneira ocorre na música”.

A discussão sobre verdade, mentira, real, fantasia, é vista por Bibi a partir do prisma de Sándor Márai, segundo ela, “o maior escritor húngaro da história”, que determina a existência somente de versões, refutando qualquer absolutismo. “Não há verdade para além da individualidade, ela só existe em nosso interior, quando alcança o mundo, ganha, invariavelmente, conotações diversas e coloridas”, filosofa a artista.

CARREIRA
Bibi Ferreira é compositora bissexta (possui quatro canções autorais: ‘Belacap’, com Jean D’Arco e Meira Guimarães; ‘Chiquinho estudioso’, ‘O Cruzeiro’ e ‘Operabras’, adaptação em parceria com J. Rui), lançou cerca de 13 discos, entre autorias e participações, e estrelou incontáveis peças de teatro mundo afora, com sucesso redundante na França. Entre peripécias outras, dirigiu inclusive ópera, no caso, ‘Carmen’, de Bizet.

Para o futuro, por enquanto, ‘somente’ uma turnê por Brasil e Estados Unidos, com o atual espetáculo, e a divulgação do CD natalino. Mas não se enganem. É esperar os próximos capítulos. Bibi Ferreira tem fôlego invejável, mesmo para uma menina.

Bibi Ferreira entrevista

Raphael Vidigal

Publicado no jornal “Hoje em Dia” em 22/12/2012.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

13 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com