Crítica: “Não existe vida no talvez” dispara gestos a favor da coragem

“Humildade de amar só por amar. Sem prêmio
que não seja o de dar cada dia o seu dia
breve, talvez: límpido, às vezes; sempre isento.
Ir dando a vida até morrer.” Cecília Meireles

"Não existe vida no talvez" é espetáculo de dança contemporânea

O título autoexplicativo não inibe a criatividade da Cia. Cena Alternativa. No espetáculo “Não existe vida no talvez”, levado à cena no Espaço Cultural Meia Ponta, a prerrogativa serve como disparador para que, através da dança contemporânea, os artistas desfilem sobre o tablado gestos nutridos de beleza e, sobretudo, necessidade. Há uma fina noção estética a conduzir todo o espetáculo que jamais se perde ou retrai-se, sendo responsável por marcar as movimentações sem com isto amarrá-las, vista tanto na escolha da trilha, a se acoplar com suavidade aos passos, quanto em outras opções fundamentais, preponderantemente figurino e cenário. Tanto isto que um se fundirá ao outro. Essa organicidade é observada junto a todos os elementos que compõe a dramaturgia, fato admirável quando se trata de tema tão vasto. Vastidão esta que não se ignora, mas, ao contrário, ganha amplitude pelos textos da dança.

Mas é a necessidade que marca, sobretudo, a montagem. Havendo uma concepção estética muito bem delineada para aparar as personagens, elas, ali, permeadas por luz e coragem, nos induzem a acreditar na história contada, numa linguagem subjetiva e simbólica, mas que nos olhares, nas posturas, nas distensões e colisões, no que se aproxima e separa, enfim, por meio de corpo que inspira, expressa e dispara, somos levados a considerar o movimento como a única alternativa válida. Logo, a inércia não será contemplada. Porque a contemplação falha. A pontualidade das palavras, que também buscam essa veia poética para além do mundo objetivo e prosaico, ajuda a amealhar para a peça novos fatores que reforçam sua natureza icônica de disparador; não ponto de chegada, sem prejuízo à sua narrativa lânguida. O que se percebe, aqui, é a dança como necessidade de sobrevivência, não material, mas abstrata. Já que a vida é criada. Estão abertas as possibilidades. E são várias.

Ficha técnica
Direção geral de Janaina Pedrosa.
Direção artística de Bruna D’Carlo, Helbert Pimenta e Janaina Pedrosa.
Direção coreográfica de Bruna D’Carlo e Helbert Pimenta.
Coreografia criada coletivamente.
Com Evelyn Baptista, Gabriela Furst, Hadassa Baptista e Thales Rocha.
Figurinos: Mariana Couto/Iluminação: Bruno Rodrigues/Trilha Sonora e Cenário: Cia. Cena Alternativa/Apoio: Núcleo Buritis Escola de Dança.

"Não existe vida no talvez" conta com quatro bailarinos em cena

Raphael Vidigal

Fotos: Ester Teixeira.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com