Crítica: “MY NAME IS NOW” explora impacto imagético da voz de Elza Soares

“O ritual sincopado das gargantas
Tinha o ruído oco de umas águas
Deitadas bem de leve em algum cântaro.
Todo o espaço se enchia desse canto
E atraía umas aves, outras tantas.” Hilda Hilst

My Name Is Now, Elza Soares.

Um dos diferenciais do documentário dirigido por Elizabete Martins Campos em reverência a Elza Soares é que cabe à cantora conduzir a própria história através das palavras, cantadas ou faladas, às quais se acoplam imagens selecionadas pela equipe que tornam ainda mais vigorosos os discursos. Esse é um dos trunfos, mas não é o único. O roteiro, escrito a quatro mãos por Elizabete e Ricardo Alves Jr., longe de ser cronológico, tampouco procura tornar hermética personagem tão popular. E há os recursos cênicos em favor da história. Elza, de frente para um espelho, permite-se captar e absorver na intimidade, ultrapassando formalidades e superfícies, mesmo, e paradoxalmente, quando elabora e oferece uma performance de si, dando ao espectador a possibilidade de apreender características como a vaidade, a carência e a solidão, além das supracitadas força, determinação e coragem.

Pela qualidade habitual do repertório de Elza Soares, a trilha sonora, escolhida por ela mesma em parceria com os demais envolvidos no filme, outro ponto que certamente a deixou confortável e acessível frente às câmeras, esbanja. Mais do que isto, as canções falam tanto ou mais do que quando Elza discursa, tornando nítido o quanto a cantora interpretou sua vida através das músicas e que a entrega no palco é fruto, sobretudo, dessa imensa identificação. Certamente a maior, dentre as inúmeras forças do longa-metragem, reside em detectar e saber explorar não objetivamente, mas de maneira subjetiva e, por isso mesmo, profunda, o impacto imagético causado pela voz de Elza Soares, como ela diz, “negra, mulher, pobre” que só pensa no agora, tradução concedida ao título. De maneira inventiva e ousada, ao retornar a tema já tratado nesse formato, “MY NAME IS NOW” também volta o cinema para sua origem clássica: a de mostrar, exibir e, por fim, revelar.

My Name Is Now, Elza Soares.

Raphael Vidigal

Fotos: Paolo Giron; e Duda Las Casas, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com