Crítica: Exposição permanente presta justa homenagem a Inimá de Paula

“Ser artista significa: não calcular nem contar; amadurecer como uma árvore que não apressa a sua seiva e permanece confiante durante as tempestades da primavera, sem o temor de que o verão não possa vir depois. Ele vem apesar de tudo. Mas só chega para os pacientes, para os que estão ali como se a eternidade se encontrasse diante deles, com toda a amplidão e a serenidade, sem preocupação alguma.” Rilke

Inimá de Paula possui museu em sua homenagem

Nove anos após sua morte o Museu Inimá de Paula foi inaugurado na antiga sede do Clube Belo Horizonte e do Cine Guarani para homenagear o artista plástico natural de Itanhomi, interior das Minas Gerais. Portanto, já (re) nasceu histórico e manteve essa qualidade através dos anos. Além do nome, a casa também oferece na parte lateral do terceiro andar uma permanente exposição para saudar a obra de Inimá, sem contar que, vez ou outra, as peças do artista tomam outras instalações do prédio. Esta em questão, porém, é como uma síntese daquele considerado o maior representante do “Fauvismo” no Brasil, em que as cores e o estilo berrante das pinceladas tomam de assalto as cenas.

A maior curiosidade da mostra é, sem dúvida, a reconstituição de parte do ateliê de Inimá reproduzida em uma tela, como se vivêssemos num quadro de De Chirico. Pequenos objetos de trabalho e observação também dão a medida da minúcia desta singela homenagem. Uma biblioteca com livros que lhe pertenceram, uma carta do poeta Carlos Drummond de Andrade e, claro, quadros pintados por Inimá possibilitam uma adesão aconchegante ao espaço. Entre as obras destacam-se os autorretratos e paisagens típicas do ambiente mineiro, carregadas por um fervor religioso e atávico, quase provinciano. Pois as reproduções luminosas de Inimá tendem a acender sua característica fantasiosa sem desprender-se do real, como se o que existe servisse de ensaio para a criação do novo e do autoral. Assim, a exposição é justa, porque mínima, e merecida, tanto na forma quanto no conteúdo. Salve Inimá de Paula!

Serviço
Exposição Permanente de Inimá de Paula
Local: Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1201, Centro) – 3º andar.
Horários: terça, quarta, sexta e sábado das 10h às 19h.
Quinta, das 12h às 21h; Domingo das 12h às 19h. Entrada franca.

Obras de Inimá de Paula podem ser vistas no Museu que leva seu nome

Raphael Vidigal

Pinturas: Obras de Inimá de Paula.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com