Artes Plásticas: De Chirico

“Estou tateando a ogiva de um amor sem matéria.” Araripe Coutinho

Giorgio de Chirico

Para quem fuma a escada é pesada, bruto. Faz-se poesia com o chão, encerador e marcenaria. “E o que devo amar senão o enigma?” pergunta meu Giorgio de Chirico. Meu, intransferível, concreto, posse, escapa como tudo onde é possível deitar as mãos, arquitetura das águas.

Conceda-me essa prevalência, num habilidoso circunflexo de palavras, cacoetes e cocurutos. Criaturas estranhas: unicórnio, sereia, saci, minotauro. Tutano, taciturno, boto. Tremula a bandeira no alto as ruínas da Grécia, Líbano, afegãos e banidos, pleonasmos e hipérboles. Prefiro me abster das coisas aquelas farão com que desista, de você.

Embora saiba, delas há, e mesmo irrelevantes. O amor é um sinal, uma trombeta tocada não por anjos, mas um parrudo elefante. Escadinha pra subir na árvore, imóvel, respira morte. Apenas almejo socorro.

Ia ganhando anos na medida em que registrava acontecimentos e: vida. Ganhava e depois perdia.

A estrada é belíssima. A vida – é sempre de surpresa. Prima morte, previsível. No entanto a foice assusta bem mais que o enigma. Quantos fantasmas nos quartos dimensionados através de cortinas periféricas? Quando o coração do tempo mora no sofrimento.

De tepidez, tenacidade, e abrigo, e expulsa a cidade o próprio fígado. Mas sinto como ele ainda estivesse em mim no curso interminável lhe envolver e cair nos seus entre os meus abraso. Calúnia e credo, camufla e vergo, casulo ou cesto, entregam cores selvagens e formas quentes.

Pois eu disser pensar sorrir “amor” vou escutar em resposta: teu: nome. A gente esquece, entontece a palavra para mal-dizê-la, para não dizê-la, para não cansar: coragem sem rosto, apenas um manequim do açoite.

De Chirico

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade