Centenários 2016: Murilo Rubião causou fascínio e espanto com literatura fantástica

“Eu, que podia criar outros seres, não encontrava meios de libertar-me da existência.” Murilo Rubião

murilo-rubiao

Se a vida bastasse uma expressão como o jornalismo seria suficiente. Ou, ainda, os fatos nos contentariam. É notório, porém, que o homem vive pela imaginação, e sobrevive, principalmente, através dela. Mineiro do Carmo, Murilo Rubião foi um sujeito comum, pacato, simples, descrito pelos amigos com certos adjetivos nada representativos de sua obra literária: tímido, quieto e até, pasmem, de poucas palavras. Não foi o único escritor de poucas palavras. Rubião publicou, ao longo de toda a vida, 33 contos, concisos e variados, com uma característica em comum, o fantástico que mais tarde se perceberia com outra nitidez nos textos do argentino Julio Cortázar e do colombiano Gabriel García Márquez. Noutras décadas, Murilo teve algumas obras adaptadas para o teatro, o cinema e a televisão, e traduzidas em inglês, espanhol e até alemão.

A primeira reação aos contos de Murilo é o espanto, mais tarde transfigurado no fascínio e, por último, em seu estágio mais importante, na reflexão. Três fases que encontram comparativo com nascimento, maturidade e morte. O teor existencial e social que permeia as histórias contadas pelo escritor encontra seu ponto de contato na frustração. Murilo não compreende a existência, não a domina nem se sente apaziguado com seu sentido aparente, tal qual não concede as injustiças do dia a dia como mera questão circunstancial. Logo, para não burilar o pensamento e, sobretudo, o sentimento, como panfletos rasgados ou desabafos chorosos, ele recorre à origem do conceito artístico. É através da estética dos contos de fada, cuja moral se perdeu no caminho, que Rubião exibe o peito de chagas e as palavras incompreensíveis de seus olhos.

murilo-rubiao-centenario

Raphael Vidigal

Fotos: Divulgação e Arquivo pessoal de Paulinho Assunção. Na segunda imagem, da esquerda para a direita, Ronald Claver, Oswaldo França Júnior, Branca Maria de Paula, Murilo Rubião e Paulinho Assunção, na década de 80.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade