Caderno H2O – 01/07/2016

“Oh, senhor, sabe muito bem que a vida é cheia de infinitos absurdos, os quais, descaradamente, nem ao menos têm necessidade de parecer verossímeis. E sabe por que, senhor? Porque esses absurdos são verdadeiros.” Luigi Pirandello

bocadoinferno

Boca do Inferno
o céu da boca tem estrelas, lua e aftas,
o céu da boca espia para baixo
e vê um lindo prado,
montanhas e a faringite,
o céu da boca é algo muito afastado, e tão perto,
que nem deus sabe se é feito
de teto, de palha, fumaça,
é um estado periférico.

o céu da boca ás vezes é forma concreta
ás vezes é só soneto.
o céu da boca em alguns mete medo,
noutros pede clemência.

o céu da boca é entre o azul e o vermelho,
é algo assim, amarelo.

Poligamia
O mundo é muito concreto.
A vida é mais abstrata.
A arte não te prepara pro mundo.
Para isso existem as indústrias,
Os telégrafos e as galochas.
A arte ensina o ciúme,
A loucura e a poligamia.
A arte ensina a ser livre,
A desamarrar os cadarços
De uma gelatina,
Torcer os bigodes dum monge tibetano
Responder ao discurso da pátria e da família.
O mundo é pra calcular, tirar carteira de motorista.
A arte te ensina pra vida
E nem todas as suas ciladas.

Impávido Colosso
Têm-se que entrar bem fundo,
Pra compreender o mundo.
Tem que se escutar bem fino,
Pra entender o mosquito.
E a poesia, que não tem rima,
Faz-se com gelatina

Marc Chagall
colocou só o céu na barriga,
porque não coube o escarcéu inteiro.

Hilda Hilst
a abóbada celeste
tão abobada
nem azul nem oeste
está no meio do nada.

Hiena
Deixo claro (ou escuro? ou apagado?) que estou indo para esculhambar
As cadeiras moles se aprumem, para a minha entrada triunfal!

Ao ressoar o relógio
Tilintarei os meus ossos cheios de pinos

Pepinos descascarei
Cenouras ceroulas pisarei
Cebolas chorardes, ei!

Tal Qual Um Neruda Às Avessas
Das Bestas, Legumes E Frutos E Frutas
Rirei Como Uma Hiena
De Quatro Costados
Deitarei Para Cima
Exibindo Ao Deleite Dos Olhos
(Para Quem Quiser Tocá-los)
Meu Órgão
(Piando Piano Pelado)
Hermafrodita!

Soçobra o sobrado
Que esconde os telhados
Em meio a cobras de boutique
Lingerie cinémathèque
Trés belle

Hiena

Poemas de Raphael Vidigal.

Ilustrações, feitas especialmente para essa coluna, por Cristiano Bistene.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade