Astolfo Barroso Pinto, a Rogéria do Brasil

“Persigo algumas palavras. São tão belas que quero colocá-las todas em meu poema… Agarro-as no vôo, quando vão zumbindo, e capturo-as, limpo-as, aparo-as, preparo-me diante do prato, sinto-as cristalinas, vibrantes, ebúrneas, vegetais, oleosas, como frutas, como algas, como ágatas, como azeitonas… E então as revolvo, agito-as, bebo-as, sugo-as, trituro-as, adorno-as, liberto-as…” Pablo Neruda

Rogeria

O poder formigava nas mãos grandiosas, calejadas e protegidas. Para disfarçar as marcas de expressão não se abstinha em colar sobre elas brilhos, inventar costuras, remodelar aspectos frios e assim torná-los quentes. Expressava-se criativa. Ao fim do processo riscara, por cima da blusa de linho, um fósforo, e, muito próxima ao fogo, mordiscando a parte inferior do lábio, soprava a “velhinha” e se dava vivas. Comemorava, aludia, enfeitava a vida a menina.

Rogéria, uma transformista, um homem pleno, sambando com seios ao vento, bunda arrebitada, na avenida. A multidão a reconhece, reconhecida Rogéria desce, ajeita o salto: urra, grita, cacareja, brinca. Um maquiador, uma mulher pluma, requebra o funk com músculo rijo, membro mantido, na rua, no enredo, na coxia. Um bem de origem, recontado, recriado, repetido em novela, musical, cinema, dramaturgia, pinta a borda a criaturinha.

O sonho, uma fantasia. Os anos tirados de letras. O ventre criou para si. O que quis. Como quis. Do jeito que quis. Afinal de contas inverte as sinetas, a lógica, o fim. Põe onde lhe cabe. Cabe em qualquer cabide, desde que ela ou ele assine. Ao final das contas, o verso uma matemática. E a carta sem remetente. E o documento não carimba. Surpreende, arrisca, petisca, entretêm, reflete. Afinal sem medo, Artista. Rogéria. Única. Dúbia. Irrestrita. Ímpar. Exagerada. Simples.

Astolfo Barroso Pinto, a Rogéria do Brasil.

Rogeria-Astolfo

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com