Análise: Betty Lago reinterpretou a própria irreverência e estilo

“A moda sai de moda, o estilo jamais.” Coco Chanel

Betty-Lago

Betty Lago surgiu para as passarelas, como modelo, na década de 1970, o que por si só já guarda diferenças nada sutis em relação aos anos 1990 e 2000, e torna descabidas as comparações com Gisele Bündchen. A época aplaudia e dava espaço para mais personalidade e menos comedimento, o que logo de cara se percebe ao constatar a beleza que uma e outra representam.

Betty levou para a TV o próprio estilo e personalidade. Não se absteve em pertencer à categoria de intérpretes cuja maneira de ser prevalece ao personagem. Betty Lago é sempre Betty Lago, desfilando para os fotógrafos de Nova York ou sob os olhos atentos dos que a viam de longe, como atriz ou apresentadora, mas que se aproximavam da artista pelo caráter ao mesmo tempo despojado e elegante que conferia às suas atuações.

Não é fácil combinar essas duas características com tamanha leveza e honestidade. Esse é o legado maior de Betty Lago que, ciente de que a fronteira entre a interpretação e o real é nula, reinterpretou a própria irreverência e estilo, deixando uma marca inconfundível na teledramaturgia e na moda brasileira. Afinal, estilo é o que, por definição, nos distingue, ao contrário de modelos contemporâneos que buscam a massificação e o fim de parâmetros e pontos de vista que contemplem a diversidade.

Novelas
1994 – Quatro por Quatro
1996 – Vira-Lata
1997 – O Amor Está no Ar
1998 – Pecado Capital
2000 – Uga Uga
2003 – Kubanacan
2005 – Bang Bang
2006 – Pé na Jaca
2007 – Duas Caras
2009 – Caminho das Índias (participação especial como ela mesma)
2011 – Vidas em Jogo
2013 – Pecado Mortal

Minisséries
1992 – Anos Rebeldes
1993 – Sex Appeal
2002 – O Quinto dos Infernos
2002 – Os Normais
2004 – Os Aspones
2004 – A Diarista
2005 – Mandrake
2008 – Casos e Acasos
2008 – Guerra & Paz
2010 – Cinquentinha
2010 – A Vida Alheia

Cinema
1976 – Dona Flor e Seus Dois Maridos
1989 – Somos Todos Iguais
1993 – Philadélphia
1997 – Alô?
2002 – Xuxa e os Duendes 2, no Caminho das Fadas
2005 – Mais Uma Vez Amor
2007 – Xuxa em Sonho de Menina

Teatro
1976 – A Verdadeira História da Gata Borralheira

Internet
2014 – Calma, Betty!

betty-lago-estilo

Raphael Vidigal

Fotos: Divulgação e Arquivo.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com