Lupicínio Rodrigues: feliz poeta do amor triste

“Eu gostei tanto, tanto,
Quando me contaram
Que lhe encontraram
Bebendo e chorando
Na mesa de um bar” Lupicínio Rodrigues

lupicinio-rodrigues

Lupicínio Rodrigues nunca tocou nenhum instrumento musical, tocou simplesmente o mais musical de todos os instrumentos: o coração daqueles que choram pelo amor perdido.
Com os cotovelos apoiados no balcão derramou o whisky feito choro na canção e criou a dor-de-cotovelo, o samba-canção.
Cantou o remorso, a vingança, a loucura, o ódio e o amor.
O amor universal.
O amor comum a todos.
Aquele que nos faz sofrer e a gente continua amando.
Cantou a dor.
Uma dor agressiva que nos castiga sem piedade e com rancor.
A dor que bate pra se defender, pra tentar amenizar o sofrimento de apanhar do próprio amor.
“Naquele desespero
De perder o meu amor
Ofereci até um coração
Que não é meu”

Lupicínio Rodrigues canta os amores tristes.
Os amores que ninguém pode negar que existem.
Os amores de vida e de morte.
O amor que trai e o amor traído.
O amor da amizade.
Os bons sentimentos e a maldade.

“Agora você vai ouvir aquilo que merece
As coisas ficam muito boas quando a gente esquece”
Impossível esquecer Lupicínio.
Sua voz pequena era a plataforma para seu coração imenso, disposto a amar e a sofrer.
E ele sofreu todas as dores do amor.
Do lamento rancoroso de “Judiaria” ao amor além da vida de “Carlucia”.
Com voz mansa e coração feroz seguiu a profecia de Noel Rosa, que disse: “Esse garoto é bom! Esse garoto vai longe!”
E foi. Mostrou “que ainda existe o verdadeiro amor”, se sujeitou a ser sacrificado, a salvar o mundo com sua dor e voltar para casa brigando com seu coração.

“Para mim
Só existe um caminho a seguir
É fugir de ti, é fugir
Apesar de ser minha vontade te seguir
Meu dever amor, é fugir”
A dor que procurava Lupicínio era como colírio: que incomoda e traz alívio.
Era a dor que ele cantava para nos mostrar a imensidão do seu amor. Traído, machucado e sonhador.
Lupicínio sempre cantou a dor. A dor que sabemos de onde vem e não passa.
Sempre cantou o amor. O amor que não sabemos de onde vem, e não passa.
“Mas como é que a gente voa
Quando começa a pensar”
Pensar em Lupicínio Rodrigues, feliz poeta do amor triste.

lupicinio-rodrigues-poeta

Raphael Vidigal

Lido na rádio Itatiaia por Acir Antão em 8/11/2009.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

20 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade