Crítica: peça “Beije minha lápide” esmaece força do texto de Oscar Wilde

“É um absurdo nos dividirem em gente boa ou má. Somos apenas encantadores ou entediantes.” Oscar Wilde

beije-minha-lapide-nanini

Numa definição clássica a linguagem é um fim em si para o texto literário, enquanto para o jornalístico serve como base à informação. Não significa que ambas não sejam nutridas por uma estética e, evidentemente, o conteúdo. No entanto, a arte, pela própria conotação, tem maior apreço pelo envelope, a forma, o invólucro. Ritmo, estrutura, vocabulário garantem, ou não, o impacto, que deve ser causado no jornalismo pelo fato em si. É este o pecado primeiro da montagem “Beije minha lápide”, com texto de Jô Bilac e direção de Bel Garcia, pois, ao se apropriar de passagens importantes da obra do dramaturgo, aforista e escritor britânico Oscar Wilde, elimina o contexto que lhes garantia o viço, mas essa originalidade, que por tal circunstância não seria lamentável, resulta numa leitura superficial, que tende para a demagogia e confere um tom entre o piegas e a piada.

É possível observar fenômeno parecido na internet. Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Caio Fernando Abreu e muitos outros, por caminharem, como um Lupicínio Rodrigues da canção popular, na tênue linha entre o derramamento de autoajuda e a precisão acabam arrolados junto a Paulo Coelho quando as frases são pinçadas a bel prazer e lançadas à deriva. Da mesma maneira uma declaração de um político ou celebridade para um jornal, retirada do todo, e que, por estratégia publicitária, estampará a manchete, ganhará contornos mais ridículos e escandalosos. Neste cenário não há como Marco Nanini, ator de reconhecidos recursos, e que protagoniza a peça, escapar de soar inseguro, hesitante, melodramático, com atropelos nas falas que desmentem a dicção quase sempre perfeita apresentada em outros trabalhos. Com esse abacaxi nas mãos não há como produzir omelete. Cenário e iluminação não contribuem, e a trilha sonora é discreta.

Carolina Pismel, Júlia Marini e Paulo Verlings entregam-se a um humor rasteiro, fundado na característica histriônica da voz, dos gestos, do figurino, das situações que chegam a soar constrangedoras, com alusões banais que ridicularizam e sublinham o estereótipo do homossexual, numa tentativa de descolamento que só alcança a pretensão. O próprio enredo embala nesta confusão, à imagem e semelhança de palavras metralhadas na intenção, mais uma vez, de modernidade frustrada, e caça um final possível para uma narrativa rocambolesca com forte tendência à novela. Nessa ânsia de rejeitar o discurso clássico e erigir uma estátua à “loucura do artista” como o ser privilegiado representado por Nanini, deixa-se escapar entre os dedos a fada do dente, a galinha dos ovos de ouro, a essência mágica do universo provocativo e nunca óbvio de Oscar Wilde, que indeferiria: “Nada é tão perigoso como ser moderna demais. Fica-se com uma tendência a virar antiquada de repente”. Outro exemplo de sua apreciação pelo clássico. À essa altura clichê é dizer que o homenageado revira no túmulo.

oscar-wilde

Raphael Vidigal

Fotos: Cabéra; e imagem do autor irlandês Oscar Wilde, respectivamente.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade