Teuda Bara: ‘Desde pequena me chamam de doida, gorda e velha’

“O bom é ser inteligente e não entender. É uma bênção estranha, como ter loucura sem ser doida.” Clarice Lispector

Atriz do Grupo Galpão e uma das principais referências culturais de Minas Gerais e do Brasil, Teuda Bara conversa com Raphael Vidigal sobre a adaptação da peça ‘Doida’ para o YouTube, as dificuldades do fazer teatral em tempos de pandemia, a experiência dramatúrgica ‘Histórias de Confinamento’, o encontro com Chacrinha que rendeu o título de sua biografia ‘Comunista Demais pra Ser Chacrete’, escrita por João Santos, e o período passado na residência estudantil Borges da Costa, que acaba de virar documentário.

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp
LinkedIn
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

[xyz-ips snippet="facecometarios"]