Teuda Bara: ‘Desde pequena me chamam de doida, gorda e velha’

“O bom é ser inteligente e não entender. É uma bênção estranha, como ter loucura sem ser doida.” Clarice Lispector

Atriz do Grupo Galpão e uma das principais referências culturais de Minas Gerais e do Brasil, Teuda Bara conversa com Raphael Vidigal sobre a adaptação da peça ‘Doida’ para o YouTube, as dificuldades do fazer teatral em tempos de pandemia, a experiência dramatúrgica ‘Histórias de Confinamento’, o encontro com Chacrinha que rendeu o título de sua biografia ‘Comunista Demais pra Ser Chacrete’, escrita por João Santos, e o período passado na residência estudantil Borges da Costa, que acaba de virar documentário.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com