Sonhos de uma tarde de primavera

“Estou sentido o martírio de uma inoportuna sensualidade. De madrugada acordo cheia de frutos. Quem virá colher os frutos de minha vida? Senão tu e eu mesma? Por que é que as coisas um instante antes de acontecerem parecem já ter acontecido? É uma questão da simultaneidade do tempo. E eis que te faço perguntas e muitas estas serão. Porque sou uma pergunta.” Clarice Lispector

Pintura de Anita Malfatti

Uma lua redonda e baixa. Ágata: uma carambola-estrela, flor de maracujá. Uma tartaruga nas pedras. Árido homem fuma um cigarro velho. No amarelo de Van Gogh, gira a roda giratória a velha. Folhas secas caem como borboletas foscas, pardas. Onças, pacas. Escamas azuladas de peixe e penas brancas: de patos: como sonhos humanos: patéticos, e reles. Dois cachorros malhados: um preto e branco: outro marrom caramelo. Vara de marmelo, doce de marmelo. Lerda, letárgica, gotejante: caem sobre as pipas as ceras de colmeias inteiras.

Como se o bicho diferenciasse da teia quando capturado: presa. Perdidinho, pergaminho, fuleiro. Pombas, roliças pombas sem dificuldade roubam o farelo da mão da velha. Na superfície supérflua do nada: a enxada, o capim: o desfecho. Corpos transparentes, alvos, de olhos azuis, cabelos claros, tão claros que parecem sumir no contato com o sol áspero. No mundo só há dois tipos de gente: rico e pobre. Mas o pobre é oitenta por cento, disse mascando chiclete ou palha. Vanessa: com luxo arrasta-pé, rococó, rocambole, caçarola é pudim de pobre.

Fantasia dos anos cinquenta, vestido branco de bolas vermelhas e óculos Audrey Hepburn. Mula, galinha, cachorra a circundam. O jumento com o rabo saúda. O pirata sarnento, cachorro cego do olho de vidro, é cor de cenoura. Clima quente, terra boa. Vasculhar é limpar o teto, a casa. Vanessa ergue a bebida: o seio: a bunda. Não me deixe só, não deixe ninguém ser teu dono, faça como os carneirinhos do sono: conte: que eu te adulo. Vanessa merece. E tem por onde. Ah, tem por onde.

Anita Malfatti foi uma pintora modernista brasileira

Raphael Vidigal

Pinturas: Obras de Anita Malfatti.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com