Show: Warley Henrique

Cavaquinista mineiro presta homenagem à altura de Waldir Azevedo

Cavaquinho mineiro

Aquecidos os instrumentos, o show começa morno para o que está por vir. Grande atração da noite, o cavaquinista que irá solar Waldir Azevedo é o último a entrar em cena, onde já lhe aguardam os acompanhantes, Gustavo Monteiro no violão, Ricardo Acácio e Robson Batata comandando as percussões.

Ao atacar a primeira leva de músicas no instrumento principal daquela chuvosa confraternização, Warley Henrique não esboça gracejos ou palavras. Somente se entrega ao cavaquinho que a ele pede esmola e recebe de troco notas e mais notas premiadas.

Com o tom jazzístico que lhe é peculiar, as canções de Waldir Azevedo passam pelo crivo de Warley, seu xará em W, aglutinando e desfazendo todas as possibilidades que cruzam ou nunca cruzaram o alfabeto do chorinho tradicional.

Requinte e habilidade, misturada à perspicácia dum humor sórdido e ácido ajudam a enovelar a platéia na bola de gato que se estende à mão de criança dos que foram ao Conservatório da UFMG para brincar.

Warley altera a rota, extrapola repertório, tempo, língua, cordas. Toca Pixinguinha em dia de Waldir Azevedo. Conta a história trocada das músicas ‘Rosa’ e ‘Carinhoso’. Esgarça a apresentação para que possam cair mais gotas do sumo que escorre em melodias e notas. Chama ao palco o cantor Mauro Zockratto, que agora trocou de nome e complica-lhe o falar.

Mas fundamentalmente inventa para a injúria de 4 cordas uma extensão a mais, ampliando possibilidades, conduzindo ao novo que não perde a essência. Toca num cavaquinho de 5 cordas como quem assovia aos pássaros e recebe resposta.

O final que nunca acaba é como o doce feito pela avó que não se quer tirar da boca. Todos os convidados reunidos em comunhão com a platéia que silenciosa atende em coro com admiração e perplexidade. Pilares e pilastras e acordes retumbam em apoteose.

Mauro Zockratto exibe a beleza grave de sua voz. Os percussionistas, Ricardo Acácio e Robson Batata, maltratam com louvor os instrumentos. Gustavo Monteiro salienta a presença de seu violão, e Warley Henrique simula o fim, para depois surpreender com coragem: covardia o que arranca do seu cavaquinho.

Waldir Azevedo

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

7 Comentários

  • Eu que agradeço a performance que proporcionou o texto, Warley! Abraços

    Resposta
  • Puxa Raphael, muito obrigado. Depois de ter lido o texto impecável sobre o show do Warley, me sinto feliz com o seu elogio. Você escreve bem e é muito antenado; nosso Tarik de Souza…rs. Abraço.

    Resposta
  • Eu que lhe agradeço o elogio e a performance no show de segunda-feira! O texto só foi possível pela inspiração que vocês me proporcionaram. Grande abraço, Mauro Zockratto!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Siga no Instagram

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com