Show: Jorge Mautner (3ª Mostra de Arte Insensata)

“Haverá lógica em Baco? Em Lewis Carroll? Em Fernando Pessoa?” Rubem Alves

Maracatu Atômico

4 do Kaos, mitologia numérica, os últimos ingressos são nossos. Cera da mariposa fundamental, telha da quebra inicial, pedra da leva filosofal. Entro no “Cento e Quatro”, localizado no redemoinho do furacão de Belo Horizonte, e sou recepcionado por Edy Star, um pouco tanto, alheio, mas ainda assim me fornece a chave da poesia.

Diz-me de Jorge Mautner a trocar a blusa no camarim antes de aparecer no palco com discurso violinístico e o violino discursivo de cara e terística. Pouco permaneço na figura de carimbo vermelho e santo dragão. Vamos juntos conhecer obras artesanais dos loucos, ali estão todos.

“Eu não peço desculpa
 E nem peço perdão
 Não, não é minha culpa
 Essa minha obsessão”

Nada me distrai, porém, de ansiedade permanente, que permanece inalterada durante o solstício passado entre o inverno de gélido carro e acalorado refugo daquela estufa canibal de plantas transparentes e verdes transpirações. O garçom, aquém disto, não serve meu pedido.

Dentro do restaurante, aflijo a necessidade de esgarçar os membros, prolixos, atingir a cisterna eólica visando senhas ao meu lado – de fora – remendo, vigora. Ele está impingido às alturas, carregado em sandálias de prata de Jesus de Nazaré, afã neném deste candomblé mameluco de graça e grossa, praça e prosa, rifada pancadaria. Tu tens essa violência divertida.

“Você é uma loucura em minha vida
Você é uma navalha para os meus olhos
 Você é o estandarte da agonia
 Que tem a lua e o sol do meio-dia”

Jorge Mautner abre sorriso largo, espanta sobrancelhas carnudas, saltita e soluça, entre um erro e outro, todo errado como só, alucina os eixos dos convidados de lomba, e quanta honra, cantam em desuníssono clássicos nada rememorados em banco de dado algum. Pois a esfera com 6 pontos cardeais trai o inventor! Canta o Brasil, as morenas as loiras, o beijinho doce e o maracatu atômico, escuro!

Repete o bis inadvertidamente, saúva Nelson Jacobina, vence o cansaço, atola os passos no barril de uva do Baco, em barros de couve na horta, Jorge Mautner! Jorge Mautner! Jorge Mautner! Líder, espiritual, pagão, Maomé, Getúlio e o mosquito bebendo inseticida, o espirro, a euforia, pago pra ver. Por que o teu espetáculo é franco.

show Jorge Mautner

Raphael Vidigal

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email

Comentários pelo Facebook

7 Comentários

  • Jorge & Mateus? Tb curto!
    Finalmente vc se rendeu aos encantos do Sertanejo universitário

    Resposta
  • “Nada me distrai, porém, de ansiedade permanente, que permanece inalterada durante o solstício passado entre o inverno de gélido carro e acalorado refugo daquela estufa canibal de plantas transparentes e verdes transpirações. O garçom, aquém disto, não serve meu pedido”.

    Entro no seu desespero pisando em palavras tão bem arquitetadas.

    Resposta
  • ?Raphael Vidigal, vim até o seu mural agradecer sua importante colaboração com a publicação de suas postagens culturais. Espero contar, diariamente, com a sua participação e divulgação da CULTURA NACIONAL na TRIBO POTIGUAR. Um grande abraço!

    Resposta
  • “podem chamar isso de experiência de vida, de erosões, iluminações e de axés!”

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Recebas as notícias da Esquina Musical direto no e-mail.

Preencha seu e-mail:

Publicidade

Quem sou eu


Raphael Vidigal

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, atua como jornalista, letrista e escritor

Categorias

Já Curtiu ?

Amor de morte entre duas vidas

Publicidade